18 março 2011

A nossa salvação é monergista e sinergista

Ao estudar Soteriologia [doutrina da salvação] o programa de estudo pretende apresentar como o Espírito Santo aplicou a obra expiatória de Cristo.[1] A ordus salutis[2] pode ser estabelecida da seguinte forma:[3]
1. Eleição
2. Chamado eficaz
3. Regeneração
4. Justificação e Adoção
5. Conversão: fé e arrependimento
6. Santificação
7. Perseverança dos verdadeiros crentes
8. Glorificação

Os calvinistas creêm que a salvação é uma obra tanto monergista quanto sinergista. Entretanto, isto precisa ser declarado com cautela, com suficiente clareza para que os novos calvinistas, bem como os calvinistas modificados e moderados como Norman Geisler, Charles Ryrie, Millard Erickson, Lewis Schafer e outros que ensinam uma forma diluída de soberania de Deus na salvação, não concluam que tudo é "Calvinismo" do mesmo modo, apenas com ênfases diferentes. A heresia Amiraldiana[4] está ressurgindo, e a ignorância histórica, bem como a tentativa de se diluir a coerência do sistema calvinista, está causando muita confusão entre alguns escritores. Em especial a doutrina Amiraldiana ensina que Cristo hipoteticamente morreu por todos, e que não pode garantir eficácia na redenção dos eleitos. Deste modo, na ordo salutis os amiraldianos colocam, ou precisam por implicação colocar a conversão [fé e arrependimento] antecedendo a regeneração. Deste modo, eles tornam ineficaz e resistível o chamado, e hipoteticamente universalizam a expiação de Cristo extendendo-a igualmente a eleitos e aos réprobos.

Há atos na aplicação subjetiva da redenção de Cristo no eleito que são espeficiamente procedentes de Deus e dEle somente. A regeneração, o chamado eficaz, a justificação e a adoção são atos divinamente monergístas. Digo "divinamente", pois Pelágio também era "monergista", todavia, antropologicamente monergista. Entretanto, no que o desenvolvimento da nossa salvação é "sinergista", ainda sim, devemos tomar todo cuidado para não cairmos na falácia de pensarmos que o somos no mesmo sentido que os semi-pelagianos católicos e luteranos ou, com os arminianos. Mesmo naquilo que entendemos ser "sinergia" deve ser compreendido a partir de Fp 2:12-13. Assim, a conversão é uma obra iniciada e realizada em nós pelo Espírito Santo, e no entanto, as Escrituras diz "convertei-vos" (At 3:19), pois, o crer é um ato humano, sendo a fé um dom divino! O arrepender é um ato humano, sendo ele produzido pela tristeza segundo Deus (2 Co 7:8-10). Da mesma forma segue a santificação, a perseverança, as boas obras, a certeza da fé, procedem de Deus e são efetivamente realizados em, com e através da responsabilidade humana.

Deus é quem começa e termina a aplicação de toda a obra da redenção. Se o Senhor não fizer não está no homem o poder de se preparar, cooperar ou de realizar a sua própria salvação. Por isso, tanto a eleição como a glorificação são atos exclusivamente monergistas, sendo que deste modo, Deus realiza - desde a eternidade nos elegendo e se dá a consumação na eternidade com Ele.

NOTAS:
[1] Dois bons livros-texto para o assunto são: 1) A.A. Hoekema, Salvos pela graça; 2) John Murray, Redenção Consumada e Aplicada - ambos publicados pela Editora Cultura Cristã.
[2] Ordus salutis significa ordem em que se desenvolve logicamente a salvação.
[3] O nosso breve artigo segue mais de perto a proposta da Ordo Salutis de A.A. Hoekema.
[4] Esta heresia deve o seu nome à Moses Amyraldius - http://doutrinacalvinista.blogspot.com/2010/12/amiraldianismo.html .

4 comentários:

Anônimo disse...

Manipulação da Palavra é obra do MAL!

Ewerton B. Tokashiki disse...

Também concordo!

Anônimo disse...

A paz do Senhor!
Estou estudando a chamada 'Providência Divina', que envolve a questão do monergismo e sinergismo. Pelo que entendi, o calvinismo prega que a eleição é algo monergista, isto é, é uma operação exclusiva de Deus e independente da vontade (ou escolha/livre-arbítrio) humana. Porém, quando refere-se à santificação e outras coisas, o calvinismo passa a ser sinergista nos outros aspectos?

JONAS ROBSON PEPI disse...

Soberania de Deus x Responsabilidade humana um ótimo assunto... Porém poucos concordam que Deus está no controle e tentam freneticamente mudar o destino de suas vidas.
Parabéns pelo artigo Reverendo Tokashiki