21 dezembro 2010

O gozo cristão

Escrito por T.A. Dearborn

Poucas qualidades desta vida se desejam tão universalmente e são tão mal compreendidas em grande medida como o prazer. Tipicamente tende-se a considerá-lo como o fruto das circunstâncias individuais e um estado emocional. Em sua vertente bíblica, o gozo possui três características distintas que o diferencia radicalmente de suas contrapartidas circunstanciais e emocionais.

1. Em lugar de depender das circunstâncias, o gozo cristão é um fruto do Espírito Santo, e uma condição do ser individual (Gl 5:22; Rm 14:17). A única circunstância da que depende o gozo é a da vida do indivíduo em Cristo. Jesus prometeu dar um gozo que ninguém, nem poderia circunstância alguma dissipar (Jo 16:20-22). Os cristãos possuem gozo por terem vida em Cristo (Fp 4:4).

2. Dada a independência do gozo das circunstâncias, os cristãos são chamados a regozijar-se em todas as coisas (Lc 10:20; Jo 14:28; Tg 1:2; 1 Pe 1:6). Esta capacidade de comprazer-se no sofrimento (2 Co 7:4), e na fraqueza (2 Co 13:9) é o resultado da constante garantia que o Espírito dá aos crentes do amor divino por eles, e de sua esperança de que Deus pode usar inclusive as dificuldades e o sofrimento para cumprir os Seus propósitos (Rm 5:3-5).

3. O gozo cristão não aliena a pessoa que o desfruta dos que choram e se lamentam. Deixa lugar para as lágrimas e permite a participação compassiva na dor alheia. Compartilhando a vida de compaixão de Cristo, o crente é livre para estender o consolo divino a todos os que sofrem (2 Co 7:4-7). Os cristãos ao fazê-lo manifestam as primícias do gozo futuro, quando Deus habitará entre o seu povo e enxugará toda lágrima, findando com todo sofrimento, pranto e dor (Ap 21:1-4).

Extraído de David J. Atkinson, org., Diccionario Etica Cristiana y Teología Pastoral (Barcelona, Editorial CLIE e Publicaciones Andamio, 2004), pág. 634.

Tradução livre: 20 de Dezembro de 2010.
Rev. Ewerton B. Tokashiki

2 comentários:

melker Halberd disse...

Muito bom me ajudou muito.

LÁZARO PAIM Paim disse...

Bom dia uma benção este lindo texto!
Através dele preparei uma linda pregaçao de encerramento dos 9 dons do do Espírito,
que o Senhor acabou me revelando ali em meio a pregação, que nós temos todos os dons do Espírito, contradizendo os 8 pregadores anteriores desta campanha.
Me mostrando que os nossos dons do Espírito são igual a dracma perdida.
Está dentro de nós ,mais só é encontrado quando manifestamos o desejo e a satisfação de manifesta-los.
o Negar-se a si mesmo tém que ser real em nossas vidas,e carregar a nossa cruz tém também que ser um desejo com prazer.
Pois sem cruz,não há unção,,não há cura,libertação,e principalmente!!! Não há salvação.
Deus os abençõe e guarde.