06 fevereiro 2019

Esboço do Breve Catecismo de Westminster

Para manifestar a importância, a plenitude e a ordem desse sistema de teologia estabelecido no Breve Catecismo da Assembleia de Westminster, é observável que contém:

I. O grande PROPÓSITO de toda a religião, [Pergunta 1]
II. O infalível Padrão dela, [Pergunta 2]
III. O RESUMO e as principais PARTES dela [Pergunta 3]. Que são três:
(1.) A parte DOUTRINÁRIA [Perguntas 4-38]
(2.) A parte PRÁTICA [Perguntas 39 -81]
(3.) A APLICAÇÃO de ambos conjuntamente [Perguntas 82-107].

Primeiro, a parte DOUTRINÁRIA, que descreve o que devemos crer acerca de Deus e do homem.
1°. Acerca de DEUS, vemos:
(1.) A PERFEIÇÕES de sua NATUREZA [Pergunta 4-5]
(2.) As PESSOAS em sua ESSÊNCIA [Pergunta 6]
(3.) Os PROPÓSITOS de sua vontade [Pergunta 7]
(4.) O PRODUTO de seu poder [Pergunta 8], na
1. A obra da CRIAÇÃO [Pergunta 9]
2. A obra de PROVIDÊNCIA [Pergunta 11]
2°. Acerca do HOMEM em:
(1.) Seu ESTADO DE INOCÊNCIA que consistia em sua
1. Semelhança a Deus [Pergunta 10]
2. Aliança com Deus [Pergunta 12]
(2.) Seu ESTADO CAÍDO, em
1. Sua causa pecaminosa [Pergunta 13]; onde temos a natureza de:
a) o pecado em geral [Pergunta 14], e
b) o pecado particular pelo qual o homem caiu [Pergunta 15].
2. Sua extensão sobre toda a humanidade por esse pecado [Pergunta 16]
3. Sues temíveis INGREDIENTES [Pergunta 17] da PECAMINOSIDADE [Pergunta 18] e da MISÉRIA [Pergunta 19].
(3.) Seu ESTADO DE SALVAÇÃO; em que nos apresenta
1. Suas CAUSAS e MEIOS:
a) O AMOR pactual de Deus Pai [Pergunta 20],
b) A GRAÇA redentora do Filho, manifesta em sua ENCARNAÇÃO [Perguntas 21-22],
c) Os OFÍCIOS de profeta, sacerdote e rei [Perguntas 23-26],
d) Os estados de humilhação e exaltação [Perguntas 27-28]; e
e) A OBRA aplicadora do Espírito Santo [Perguntas 29-30].
2. As BENÇÃOS resultantes; como
a) A UNIÃO com Cristo no chamado eficaz [Pergunta 31]
b) JUSTIFICAÇÃO, ADOÇÃO, SANTIFICAÇÃO, e seus dons acompanhantes [Perguntas 32-36],
c) Uma morte feliz [Pergunta 37]; e
d) GLÓRIA completa e eterna [Pergunta 38].

Segundo, a parte PRÁTICA; que representa a NOSSA OBRIGAÇÃO em
1°. Sua NATUREZA [Pergunta 39],
2°. Sua REGRA [Perguntas 40-41],
3°. Sua SUBSTÂNCIA [Pergunta 42],
4°. As RAZÕES e OBRIGAÇÕES dela [Perguntas 43-44],
5°. Suas particulares PARTES e DIVISÕES, a saber:
(1.) O DEVER PARA COM DEUS; com respeito a:
a. A NATUREZA e OBJETO de culto, primeiro mandamento [Perguntas 45-48]
b. As ORDENANÇAS do culto, segundo mandamento [Perguntas 49-52]
c. O MODO da adoração, terceiro mandamento [Perguntas 51-56]; e
d. O TEMPO do culto, quarto mandamento [Perguntas 57-62]
(2.) O DEVER PARA COM O HOMEM; com respeito a:
a. As nossas RELAÇÕES com o próximo, quinto mandamento [Perguntas 63-66];
b. A VIDA, sexto mandamento [Perguntas 67-69],
c. A CASTIDADE, sétimo mandamento [Perguntas 70-72]
d. A PROPRIEDADE CIVIL, oitavo mandamento [Perguntas 73-75]
e. A REPUTAÇÃO, nono mandamento [Perguntas 76-78]
f. O CONTENTAMENTO e a CARIDADE, décimo mandamento [Perguntas 79-81].

Em terceiro lugar, a APLICAÇÃO; servindo:
1° Para o ESTADO de nossa debilidade, e do número, agressividade e merecimento de nossos pecados [Perguntas 82-84],
2° Para DIREÇÃO, como receber e melhorar a redenção preparada para nós em Cristo [Pergunta 85]:
(1) pela FÉ [Pergunta 86],
(2) pelo ARREPENDIMENTO para a vida [Pergunta 87],
(3) por um USO DILIGENTE dos meios de salvação instituídos por Deus [Pergunta 88]; especialmente:
a. A sua PALAVRA [Perguntas 89-90],
b. Os SACRAMENTOS; apresentando sua eficácia, natureza, número, sujeitos a quem ministrar e as diferentes formas de BATISMO e a CEIA DO SENHOR [Perguntas 91-97], e
c. A ORAÇÃO, a sua natureza e regra, particularmente a oração do Senhor em seu Prefácio, petições, acerca da glória de Deus e nossa felicidade, e sua conclusão se explicam [Perguntas 98-107].


John Brown de Haddington, “Preface” in: An essay towards an easy, plain, practical, and extensive explication of the Assembly’s Shorter Catechism (New York, Robert Carter & Brothers, 1834), pp. v-vi.

16 janeiro 2019

Remédios preciosos contra as artimanhas do Diabo - Capítulo 13

Outro método usado por Satanás para manter aos crentes num estado de dúvida e questionando se sua vida espiritual, dizendo-lhes que são falsas as evidências de que possuem a graça e o favor de Deus. Ele lhes dirá que suas evidências não são reais e que pessoas que não são crentes podem ter evidências semelhantes. Também dirá que sua fé não é o dom de Deus, mas uma ilusão de suas próprias mentes. Que sua preocupação pela obra de Deus não é superior da que muitas pessoas possuem nos assuntos mundanos. Satanás lhes dirá que não tiveram real crescimento espiritual, que pessoas enganadas podem alcançar um nível igual ou melhor que eles. Para enfrentar estas sugestões do Diabo, devemos recordar que Deus manifesta sua graça de duas formas distintas, primeiro sua graça comum e segundo sua graça especial, ou salvadora. Por meio de sua graça comum Deus concede bençãos a todos, mas sua graça especial outorga somente aos seus eleitos. Nunca devemos confundir a diferença entre estas duas classes da graça. É possível, por exemplo, que muitos que não são verdadeiros crentes pareçam como se fossem. Que manifestem certo entendimento da Palavra de Deus, podem viver uma vida moralista e religiosa, quando na realidade não são objetos da graça especial de Deus. Em continuação assinalaremos algumas distinções entre a graça comum a graça salvadora de Deus.

Primeiro, a graça salvadora transforma a pessoa, concedendo-lhe vida espiritual, uma nova natureza. Entretanto, que a graça comum somente obstrui o pecado, mantendo-lhe dentro de certos limites permitidos por Deus. A graça comum limita o pecado e controla seus efeitos, mas não transforma interiormente as pessoas. A graça salvadora de Deus transforma a pessoa em sua mente, suas emoções, sua vontade. Todos os aspectos de sua vida estão sendo mudados, limpos e renovados.

Segundo, a graça especial de Deus produz um interesse profundo e pessoal nas realidades espirituais e eternas: em Deus, em Jesus Cristo, nas promessas de Deus, em seu Reino, no céu. Os que são apenas objeto da graça comum de Deus podem ter certo conhecimento superficial da Bíblia, mas seu interesse em tais coisas é somente temporal e na realidade não querem conhecer a Deus, não é seu principal desejo. A Bíblia nos dá muitos exemplos de pessoas que foram objeto da graça comum, sem ser recebedores da graça salvadora de Deus (por exemplo, Judas, Demas, os fariseus, o rei Saul, etc).

Terceiro, a graça especial de Deus produz um prazer verdadeiro no serviço à Deus. Para os objetos da graça salvadora, os mandamentos de Deus não são ofensivos, o jugo de Cristo é suave e leve o seu fardo. Os recipientes da graça especial de Deus encontram gozo na oração, a leitura da Bíblia, a comunhão com outros crentes e a adoração à Deus. O salmista se referiu a esta classe de pessoa dizendo: “Na lei de Jeová está o seu prazer” (Sl 1.2). Para aqueles que são apenas objeto da graça comum, o serviço de Deus é pesaroso, entendiante e um fardo em lugar de prazer. O profeta Malaquias disse, “Vós dizeis: Inútil é servir a Deus; que nos aproveitou termos cuidado em guardar os seus preceitos e em andar de luto diante do SENHOR dos Exércitos?” (Mal.3:14). Este é o pensamento daqueles que somente conhecem a graça comum.

Quarto, a graça salvadora lhes faz temer a perversidade de seu próprio coração. Ao examinar cuidadosamente o seu próprio coração e ter cautela de sua conduta. A graça comum lhe faz satisfeito com um Cristianismo superficial. Aqueles que são crentes apenas nominalmente, concentram mais cuidadosamente nos outros que em si mesmos, pois julgam os outros antes que a eles mesmos.

Quinto, a graça salvadora com que amem e busquem a santidade mesmo quando é difícil e perigoso. Os que são crentes apenas nominais, aqueles que não são realmente salvos, não perseveram quando a vida cristã se torna difícil. Jesus falou de semelhantes pessoas na parábola do semeador (Mt 13.20-21). A semente que caiu entre as pedras representa a pessoa que ouve a Palavra e momentaneamente a recebe com alegria “mas não possui raíz, mas é passageira, pois ao virem as aflições ou, a perseguição por causa da Palavra, logo se ofende.” O verdadeiro crente segue a Cristo mesmo quando tudo está difícil.

Sexto, os que usufruem da benção da graça especial de Deus, querem obedecer a Deus por motivos espirituais. Desejam orar, querem servir a Deus, querem escutá-lo porque o amam e desejam agradá-lo. Aqueles que são apenas crentes nominais fazem algumas destas coisas, não porque amam a Deus, mas apenas para serem vistos pelos homens. Querem que outros pensem bem deles, no entanto, na realidade não querem agradar a Deus.
Sétimo, a graça salvadora, renovadora conduz ao desejo de abandonar, de deixar o pecado por completo e obedecer a todos os mandamentos de Deus. Os crentes são semelhantes a Calebe acerca de quem Deus disse: “visto que nele houve outro espírito, e perseverou em seguir-me” (Nm 14.24). Os que somente aparentam ser crentes, e não sendo, seguem a Deus parcialmente, são de ânimo dobre, somente obedecem quando lhes é conveniente. É necessário distinguir entre buscar a perfeição e deseja-la, entre o esforço para obedecer e o cumprimento. A alma renovada pode dizer: Ainda que não mortifiquei completamente nenhum pecado, como deveria e como desejo, todavia, odeio todos os pecados. Ainda que não obedeça perfeitamente a nenhum mandamento, como quero e deveria, entretanto, amo cada mandamento de Deus. Todos me são preciosos, e não há um sequer que não deseje cumprir. Este era o sentimento do apóstolo Paulo em Rm 7.15-22.

Oitavo, principal e sobretudo, aqueles que são abençoados com o amor e a graça especial de Deus, estimam a Cristo como a maior benção. Cristo é suficiente para satisfazer as suas almas. Podem usufruir de Cristo sem possuir riquezas, sem prazeres, sem o sorriso da prosperidade; em todas as circunstâncias estão contentes com Cristo. Cristo é tudo, o Sumo Bem para os que conhecem a graça salvadora. Se estamos enfermos, Ele é o médico; se temos sede, Ele é o manancial; se o pecado nos inquieta, Ele é a nossa justiça; se necessitamos de ajuda, Ele é poderoso para nos salvar; se tememos a morte, Ele é a vida; se estamos em trevas, Ele é a luz; se somos fracos, Ele é nossa fortaleza; se somos pobres, Ele é a plenitude; se desejamos o céu, Ele é o único caminho. Em contraste com os que apenas têm a aparência de crentes, que estimam mais as recompensas, os benefícios e o louvor que recebem professando o Cristianismo (mas que na realidade não estimam a Cristo acima de todas as coisas), os que possuem a Cristo não carecem de nada. Assim disse Paulo, “como não tendo nada, mas possuindo tudo” (1Co 6.10). Então, quem não possui a Cristo, nada tem. Você ama ao Senhor Jesus mais do que todas as demais coisas? Se sim, então não deve escutar ao Diabo quando quer fazê-lo duvidar e pensar que são falsas as suas evidências de salvação.

03 janeiro 2019

Remédios preciosos contra as artimanhas do Diabo - Capítulo 12

Satanás tem outro método para causar dano aos crentes. Se não pode conseguir que pequem, ou sejam distraídos, tratará de fazer-lhes infelizes e miseráveis como crentes. Isto procura fazê-lo induzindo-lhes a duvidar de sua salvação. Aprecia encher as mentes dos crentes com dúvidas e interrogações. “Sou realmente cristão? Está firme e segura minha esperança da vida eterna? É a satisfação cristã que sinto, uma boa emoção e nada mais? Um dos métodos de Satanás é atacar aos cristãos enchendo-lhes com interrogações, dúvidas, incertezas e miséria. Para conseguir isto, Satanás utiliza três métodos.

Primeiro, Satanás procurará que os crentes sempre estejam preocupados acerca de seus pecados. Fará que seus pecados lhes pareçam tão grandes que não possam pensar noutra coisa, especialmente que não pensem em seu Salvador. Nenhum crente deve pensar no pecado desta maneira. É certo que o pecado rodeia aos crentes e que estes ainda pecam. Não obstante, o pecado não tem poder para condená-los. O Senhor Jesus não retira todos e cada um dos pecados dos crentes, ou seja, eles ainda são imperfeitos. Todavia, retira a condenação do pecado. “Nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus” (Rm 8.1). Cristo também lhes livra do reino e do poder dominante do pecado (Rm 6.14). Os crentes não pecam de modo livre, nem com felicidade. Não são escravos do pecado, advertem seu perigo e pelejam contra ele. Ainda que o pecado ainda habite neles e se rebela, não pode controlar, nem dominá-los totalmente. O poder do pecado foi destruído por Cristo. Portanto, o crente não deve cair no erro de pensar somente em seus pecados.

Segundo, os crentes devem guardar na mente, que Deus promete o perdão do pecado na Bíblia. É certo que devem lutar contra o pecado e, todavia, neste mundo o pecado não será erradicado de suas vidas. Não devem se fixar tanto nos pecados, de modo que percam de vista a grandeza do perdão do pecado. Deus disse: “Eu, eu mesmo, sou o que apago as tuas transgressões por amor de mim e dos teus pecados não me lembro”. (Is 43.25) Cristo pagou pelos pecados de seu povo, nenhum outro o pode fazer. Paulo disse: “Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós, para que nele fôssemos feitos justiça de Deus.” (2Co 5.21). Os crentes não se sentiriam miseráveis se outra pessoa pagasse uma dívida sua. Cristo pagou a dívida dos pecados que cada crente devia a Deus. Portanto, os crentes não devem se sentir miseráveis e deprimidos como se sua dívida não estivesse quitada.

Terceiro, isto não quer dizer que os crentes devem tornar-se descuidados com o pecado. Satanás quer que estejam alarmados e aterrorizados por seus pecados. Os motivos de Deus em permitir que os crentes estejam preocupados com o pecado são outros. Deus quer que os crentes se mantenham em humildade. Quer que busquem sua ajuda para mortificar o pecado. Quer que dependam de Cristo para seu perdão e fortaleza. Quer que tenham compaixão por aqueles que estão sujeitos às mesmas debilidades e para os que caem em pecado. Também quer que anelem profundamente a libertação completa do pecado no céu. Deus alcança estes propósitos deixando que lutem e que sejam exercitados com os resquícios do pecado.

Os crentes que estão deprimidos, miseráveis e aterrorizados por causa de seus pecados, devem arrepender-se desse estado mental. Sua depressão é ocasionada por sua própria ignorância e incredulidade. Devem entender que o amor de Deus é completo, livre, eterno e abundante; a morte e os sofrimentos de Cristo são suficientes para perdoar todos os seus pecados para sempre. Devem compreender melhor o valor, a glória e a suficiência da justiça de Cristo, a qual lhes foi imputada. Devem crer mais na gloriosa e indestrutível realidade de sua união espiritual com Cristo. Se tão somente os crentes cressem mais na verdade destas coisas, não seriam deprimidos e enganados por Satanás, nem por seus pecados.

Há outra forma em que Satanás faz com que os crentes se sintam miseráveis, culpados e inúteis. Ele lhes leva a pensar que as normas para ser um crente são tão altas que nunca poderá alcança-las, fazendo-lhes duvidar, assim, de sua salvação. Agrada a Satanás fazer com que os crentes pensem que sua fé não é verdadeira. Quer persuadi-los que a fé é um dom tão especial e tão raro que poucos a têm. Satanás insinua aos crentes que a fé significa nunca duvidar de sua salvação e sempre crer que seus pecados são perdoados. Se em algum momento os crentes duvidam, questionam, ou caem em ansiedade, então, Satanás lhes diz que não têm a fé verdadeira.

Primeiro, Satanás ao fazer tudo isto, está insinuando que a fé signifique mais do que a Bíblia diz. Deus disse na Bíblia que os crentes podem ter a fé verdadeira, sem ter a certeza de que a têm. Se assim não fosse, o apóstolo João não escreveria: “Estas coisas vos escrevi a fim de que creiais no nome do Filho de Deus, para que saibais que tendes a vida eterna” (1Jo 5.13). Eles creram, mas não tinham certeza se tinham a vida eterna. João escreveu para mostrar-lhes que tinham a vida eterna. Antes que soubessem que tinham a vida eterna, eles haviam crido, pois tinham fé. Então pode-se ter fé sem ter certeza de sua salvação.

Segundo, Deus nos disse que a fé significa receber a Cristo: “Mas a todos quanto o receberam, aos que creram em seu nome, lhes deu o poder de serem feitos filhos de Deus” (Jo 1.12). Satanás quer que os crentes pensem que a fé signifique sempre ter certeza e nunca duvidar de que Deus lhes ama e de que seu destino é o céu. A verdade é que pode existir a fé verdadeira, mesmo quando hajam muitas dúvidas. Por exemplo, Mt 14.31 disse: “Homem de pouca fé, por que duvidaste?” Uma pessoa pode crer verdadeiramente, e não obstante, às vezes, duvidar. Este foi o caso de Pedro; cria, tinha fé e, todavia, ainda duvidava.

Terceiro, a segurança é um efeito, ou um fruto da fé, portanto não deve ser confundido com a fé. Ter a certeza de que somos cristãos, não é a mesma coisa que crer em Cristo. A fé é o que vem primeiro e a segurança vem depois. A fé não pode se perder, a segurança sim. A terceira tática do Diabo para promover a dúvida nos crentes, que se deprimam e se sintam miseráveis e inúteis, é que julguem equivocadamente a providência divina. Satanás quer que os crentes pensem que Deus está contra eles e que está lhes tratando duramente. Satanás deseja que creiam que por causa da vida que levam, dificilmente Deus lhes ama. Oram e pedem algo a Deus, mas não lhes contesta, ou lhes responde negativamente. Esperam receber algo bom, mas são decepcionados e se sentem prejudicados. Se esforçam para obedecer a Deus, mas logo seus sonhos são frustrados. Então começam a pensar que Deus não se preocupa com eles.

Em tais circunstâncias os crentes devem recordar o seguinte:

Primeiro, que muitas coisas podem estar contra seus desejos e seus sonhos sem serem contrários ao seu bem. Abraão, Moisés, Paulo, Jonas sempre receberam o que queriam? Não. Encontraram-se em muitas circunstâncias providenciais contrárias aos seus desejos, mas não contra o seu bem espiritual. A providência pode operar contra os nossos desejos, mas nunca contra o nosso bem.
Segundo, a mão de Deus pode estar contra uma pessoa, ao mesmo tempo que seu amor e seu coração estão a seu favor. A mão de Deus parecia estar contra Jó, quando na realidade Deus lhe muito amava. O amor de Deus pelos crentes não muda ainda e quando sua providência pareça estar se realizando contrária a eles.

Terceiro, as coisas difíceis que sobrevêm aos crentes na providência de Deus têm um bom propósito (Rm 8.28). Todas as circunstâncias estranhas, obscuras, dolorosas em que os crentes se encontram, sempre lhes prosperam em seu caminho para o céu, em sua peregrinação para a felicidade. Quando Deus está operando na vida de um crente, as coisas difíceis e duras sempre lhe conduzem às bençãos e para a prosperidade espiritual. José teve uma vida dura quando foi vendido como escravo e quando foi encarcerado, mas posteriormente foi usado por Deus para salvar a sua família. A vida pode ser confusa e, às vezes, muito dura para os crentes; mas a Bíblia ensina que em todas estas coisas Deus nunca está operando contra, mas para o seu bem e o benefício de outros. Deus se preocupa com seu povo. Portanto, os crentes não devem permitir que Satanás lhes amargure, ou induza a duvidar do amor de Deus.

01 janeiro 2019

Remédios preciosos contra as artimanhas do Diabo - Capítulo 11

Concentremos a nossa atenção em outros dois métodos usados pelo diabo para desanimar aos crentes em seu serviço para o Senhor.

Primero, Satanás tratará de encher sua mente com maus pensamentos, ou ainda com pensamentos sujos. Isto ele faz frequentemente quando os crentes estão orando, lendo suas Bíblias, ou pensando em Deus.

Em segundo lugar, se esforçará para que se sintam satisfeitos com sua vida cristã a fim de que não se preocupem com o seu crescimento espiritual. Com o primeiro método, Satanás consegue desanimar a muitos em seu serviço ao Senhor. Com esta persuasão muitos são atrapalhados em suas orações, em seu estudo da Palavra, porque sempre se sentem distraídos. Chegam até mesmo a sentir-se frustrados, perdem a sua alegria e se sentem inúteis no serviço de Deus, tudo por causa dos fúteis pensamentos que o diabo coloca em suas mentes. O que podem fazer os crentes quando lhes é difícil orar, ler suas Bíblias, em consequência destes ataques?

Primeiro, os crentes devem esforçar-se em serem mais afetados pela grandeza de Deus, sua santidade, sua majestade e sua glória. Quando os crentes têm pensamentos superficiais e pequenos acerca de Deus, Satanás pode distraí-los facilmente. Quando começam a compreender melhor sua onipotência, sua pureza, sua grandeza, então os pensamentos vãos perdem muito de seu poder. Uma visão da perfeição de Deus, sua onipotência, sua onisciência, sua onipresença, sua santidade, ajudará muito para acabar com os pensamentos vãos. Quanto mais a nossa mente estiver cheia com pensamentos acerca de Deus, seremos menos afetados com os pensamentos do diabo. Filipenses 4.8 diz: “Portanto irmãos, tudo o que é verdadeiro, honesto, justo, puro, amável, tudo o que é de bom nome; se alguma virtude há, e se algo digno de louvor, nisto pensai.”

Segundo, os crentes podem superar esta tentação perseverando na oração, na leitura da Bíblia e em seus pensamentos acerca de Deus. Muitos crentes descobriram que Satanás lhes deixa em paz quando perseveram nestas coisas. Quando o diabo percebe que esta tática faz com que os crentes busquem a Deus com mais empenho, então se dá por vencido. Quando Jesus resistiu a Satanás no deserto, então este o deixou. Se os crentes perseveram em buscar a Deus apesar de todos os intentos do diabo por distrair-lhes, então também o diabo fugirá deles. “Resisti ao diabo, e ele fugirá de vós” (Tg 4.7).

Terceiro, devemos recordar que os pensamentos vazios, néscios e blasfemos são pecaminosos, e sempre não são bem-vindos, mas devem ser rejeitados e mortificados. Em outras palavras, não devemos fazer caso de tais pensamentos. Há muitos pensamentos que molestam e inquietam aos crentes, mas tais pensamentos não são pecaminosos se os crentes não permitem que se alojem em suas mentes. Tais pensamentos chegam a ser pecado quando são recebidos e abrigados na mente dos crentes.

Quarto, o fato de resistir a tais pensamentos, de lamentá-los e esforçar em acabar com eles, é uma forte evidência de que a graça de Deus está operando (Sl 139.23-24). É uma boa evidência quando alguém quer levar cativo os seus pensamentos em obediência a Cristo (2Co 10.4-5). Os pensamentos pecaminosos afetam a vida, pois frequentemente conduzem a atos pecaminosos. Portanto, os crentes devem pelejar contra os pensamentos vãos e pecaminosos. Enquanto vigiarmos e estivermos constantes em resistí-los e afugentá-los não nos causará dano.

Quinto, os crentes podem afastar dos pensamentos vãos sendo cheios com as coisas espirituais e celestiais (Cl 3.1-2). Paulo fala em Efésios da necessidade de ser cheios do Espírito e ainda deseja que todos os crentes sejam cheios de toda a plenitude de Deus (Ef 3.19). Quanto mais nos enchemos de pensamentos espirituais e celestiais, menos lugar teremos para os maus pensamentos.

Sexto, é necessário que os crentes cresçam em seu amor pelas coisas santas. Inevitavelmente pensamos mais acerca do que mais amamos. “Quanto amo tua lei! Todo o dia é ela minha meditação” (Sl 119.97). O salmista amava a Palavra de Deus, portanto, ela era a sua meditação todo o tempo. Se apenas amássemos mais a santidade, pensaríamos mais nela.

Finalmente, se os crentes não querem ser distraídos pelos pensamentos fúteis, não devem deter-se demasiadamente nas atividades deste mundo. O excesso de assuntos mundanos somente encherá as suas mentes com ansiedade e afã. As suas mentes lhes encherão constantemente de preocupações, ainda quando estiverem buscando as coisas de Deus. Os crentes devem lutar para livrar as suas mentes nas ansiedades acerca desta vida e fixar seus pensamentos na grandeza e a glória de Deus. Então Satanás não os distrairá tão facilmente com pensamentos indignos.

Pensemos acerca da segunda tática usada pelo Diabo para impedir aos crentes em seu serviço a Deus. Ele lhes faz sentir satisfeitos com suas orações, com a leitura da Bíblia, com seu serviço cristão, então começam a sentir que podem relaxar um pouco, e não se esforçam tanto. Diante desta tática os crentes devem recordar quatro fatos importantes:

Primeiro, tudo o que os crentes fazem e tudo o que farão é imperfeito. Há pecado em tudo o que fazem. Mesmo em suas orações, as leituras da Bíblia e todas as demais atividades cristãs que fazem estão manchadas por sua debilidade e seu pecado. Os crentes não têm motivo algum para orgulhar-se. Podemos dizer como o profeta, que todas as nossas obras de justiça são como trapos de imundícia (Is 64.6).

Segundo, os crentes não são salvos por suas obras, suas orações ou seu serviço cristão, senão somente pelo que Cristo fez por eles. Eles têm que confiar somente em Cristo para que sejam salvos do pecado.

Terceiro, a confiança em nossas atividades religiosas é um enorme pecado que terminará por destruir-nos (Fp 3.3-9).

Quarto, não devemos esquecer o que nosso Senhor disse: “Quando tiveres feito tudo o que vos tenho mandado, dizei: Servos inúteis somos, porque fizemos apenas o que deveríamos fazer” (Lc 17.10).

31 dezembro 2018

A adoração reformada explicada

Mike Brown e Ewerton B. Tokashiki


O culto semanal de adoração pública é a atividade mais importante na vida cristã.[1] Deus se encontra nele com o seu povo. Ele nos fala em sua Palavra e sacramentos, e nós respondemos em oração, confissão e com cânticos. Ele se inclina para alimentar nossas almas, fortalecer nossa fé e nos edificar como o corpo de Cristo. Estamos prontos para ouvir, receber e para agradá-lo.

Hoje em dia, os cultos de adoração costumam mais agradar a nós mesmos do que a Deus. Tornou-se comum que os atos do culto se concentrem em entreter o público, parecendo mais como concertos de rock e palestras motivacionais, do que a santa adoração do Deus Trino. Mas a Bíblia nos ordena a “oferecer a Deus a adoração aceitável, com reverência e temor, pois o nosso Deus é um fogo consumidor” (Hb 12.28-29).

Numa igreja reformada que pratica o Princípio Regulador do Culto você não encontrará o último modismo dos cultos evangélicos.[2] Não há bandas de rock, efeitos especiais ou pastores contando histórias irreverentes. Em vez disso, encontrará adoração alegre e reverente ao Deus vivo, uma liturgia bíblica e Cristo sendo proclamado a partir de toda a Escritura, em cada ato do culto.


O QUE É LITURGIA?
A palavra “liturgia” refere-se simplesmente à organização da adoração em um serviço público. Toda igreja tem alguma forma de liturgia. A liturgia que você vivencia numa igreja presbiteriana/reformada tem precedentes históricos: cada parte pode ser encontrada nas liturgias da igreja cristã histórica, especialmente naquelas da Reforma do século XVI e dos primeiros pais da igreja.

Mais importante ainda é que a nossa liturgia está totalmente de acordo com a Palavra de Deus e é cuidadosamente planejada para nos conduzir em um diálogo com o nosso Criador e Redentor. É um diálogo em que Deus fala ao seu povo através da sua Palavra e dos sacramentos, e nós respondemos em nossa oração, confissão e canto.

Deus entra nesse diálogo com o seu povo a cada semana no culto público para renovar conosco o seu pacto da graça. Abaixo está uma breve explicação de cada parte da liturgia reformada.


CONVOCAÇÃO À ADORAÇÃO
O culto inicia com o Deus Trino convocando-nos com sua Palavra para adorá-lo com reverência e respeito. Um texto bíblico, muitas vezes um salmo, é lido como uma convocação ao povo de Deus: “Oh, vamos adorar e curvar-nos; ajoelhem-se diante do Senhor nosso Criador!” (Sl 95.6). Ele nos chama para adorá-lo e receber de sua mão bondosa as boas dádivas que Ele fornece às nossas almas.

O culto não é uma iniciativa humana, mas Deus nos despertando, convencendo, atraindo, estimulando e promovendo a sua santidade em nós, para que correspondamos ao seu chamado e obedeçamos a sua ordenança de adorá-lo. Sabemos que “Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade” (Fp 2.13). E Agostinho escreveu que “fizeste-nos para ti e inquieto está nosso coração enquanto não repousa em ti”.


INVOCAÇÃO
Tendo ouvido o chamado de Deus para adorá-lo, respondemos em oração. Como o povo que possui um pacto com Deus invocamos o nome de Deus, confessando que “o nosso auxílio está no nome do Senhor, que fez o céu e a terra” (Sl 124.8).

Esta é a resposta de Deus ao seu povo invocando seu nome. Ele anuncia a sua graça e paz a todos que vêm a ele através de Jesus Cristo. Como ministro designado de Deus, o ministro levanta as mãos e anuncia a bênção de Deus em sua Palavra: “Graça a ti e paz da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo” (Rm 1.7).


LEITURA DA LEI
Deus nos revela a sua vontade para nossas vidas em sua lei, isto é, os mandamentos das Escrituras. A lei de Deus nos diz claramente como devemos viver e o que Deus espera de nós. Também revela a santidade de Deus, bem como a nossa pecaminosidade, pois “se não fosse pela lei, eu não teria conhecido o pecado” (Rm 7.7).


CONFISSÃO DE PECADO
Tendo ouvido Deus falar conosco em sua lei, somos levados a confessar nossos pecados. Em primeiro lugar, fazemos isso pública e coletivamente, confessando a Deus como povo, “contra ti somente pequei e fiz o que é mal diante dos teus olhos” (Sl 51.4). Então, fazemos isso em silêncio, confessando nossos próprios pecados.


LEITURA DO EVANGELHO
Somos incapazes de obedecer perfeitamente a lei de Deus como Ele requer, por isso, tornamo-nos merecedores de sua ira. Todavia, “não há mais condenação para aqueles que estão em Cristo Jesus” (Rm 8.1). A leitura de textos com a instrução, promessas e a certeza da salvação para os que creem em Cristo Jesus complementam, logicamente, a leitura da lei de Deus.


DECLARAÇÃO DE PERDÃO
Tendo confessado nossos pecados a Deus, ouvimos o alegre anúncio de sua promessa de que “se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1Jo 1.9). Como o embaixador de Cristo, o ministro declara o perdão a todos os que confiam em Cristo e se arrependem de seus pecados.


CONFISSÃO DE FÉ
Confessamos juntos o Credo dos Apóstolos, o Niceno ou Calcedônio, ou um parágrafo da Confissão de Westminster, ou questão do Catecismo de Heidelberg. Fazemos isso não apenas para sermos instruídos na fé cristã, mas também como uma oração a Deus na qual declaramos estar unidos na verdade que ele revelou: “Um só Senhor, uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai de tudo ”(Ef 4.5-6). Os credos e confissões resumem com beleza essa verdade revelada.


ORAÇÃO PASTORAL
O ministro ora em favor da congregação, trazendo “o fruto dos lábios que reconhecem o seu nome” (Hb 13.15), bem como a intercessão pela igreja e pelo mundo. Este ato pode ser concluído com a congregação recitando juntos a oração do Senhor.


CÂNTICOS DE LOUVOR
Tendo ouvido a bênção de Deus, nós respondemos levantando nossas vozes para ele e cantando um salmo, um hino ou cântico bíblico. Como está ordenado: “Vinde à sua presença cantando!” (Sl 100.2). As palavras que cantamos ao Senhor são cuidadosamente escolhidas, pois o conteúdo de cada canção deve estar de acordo com as Escrituras e deve nos proporcionar uma compreensão mais profunda de Deus.


OFERTÓRIO
Nós respondemos à graça de Deus com nossas ofertas e dízimos, que são para a propagação do evangelho no mundo e para a formação de discípulos. Fazemos isto como um ato de adoração, sabendo que “cada um contribua segundo tiver proposto no coração, não com tristeza ou por necessidade, porque Deus ama a quem dá com alegria” (2 Cor 9.7).


CÂNTICO DE PREPARAÇÃO
Cantamos em preparação para a refeição que Deus está prestes a nos dar para as nossas almas na pregação de sua Palavra. Cantamos outro salmo, cântico ou hino, essencialmente dizendo ao Senhor: “A tua palavra é lâmpada para os meus pés e luz para o meu caminho” (Sl 119.105).


ORAÇÃO POR ILUMINAÇÃO
Chamamos o Senhor novamente, desta vez pedindo-lhe para que nos dê “o Espírito de sabedoria e de revelação no conhecimento dele, tendo os olhos de nossos corações iluminados, que possamos saber qual é a esperança que Ele nos chamou, quais são as riquezas de sua herança gloriosa nos santos, e qual é a imensurável grandeza de seu poder em relação a nós, os que cremos” (Ef 1.17-19).


O SERMÃO
Tendo pedido a Deus que abra os nossos ouvidos e corações para recebermos a sua Palavra, nós o ouvimos falar enquanto a sua Palavra é lida. Igualmente - “a leitura pública da Escritura” (1Tm 4.13) - é um ato de adoração.

Deus continua a falar enquanto a sua Palavra é explicada e proclamada. Como o apóstolo Paulo disse ao pastor Timóteo: “Prega a Palavra, insta, quer seja oportuno, quer não, corrige, repreende, exorta com toda a longanimidade e doutrina. Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos; e se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se às fábulas” (2Tm 4.2-4). O ministro faz uma exposição fiel do texto, que finalmente nos chama ao arrependimento do pecado e para a fé em Cristo.


CEIA DO SENHOR
Tendo ouvido uma breve instrução da nossa aliança de Deus em sua Palavra, agora nos reunimos com Ele em uma refeição pactual. Como a Palavra pregada nos prometeu o favor de Deus, em Cristo, assim também nosso Pai celestial acrescenta esta confirmação visível de sua promessa imutável. Celebramos juntos para comungar e participar do corpo e sangue de Cristo (1Co 10.16). Não acreditamos que os elementos da ceia se transformem, ou contenham o corpo físico de Cristo, mas cremos que, o pão e o vinho permanecem inalterados, e a presença espiritual de Cristo nos comunica graça, por meio deles, para a nossa santificação.


CÂNTICO DE RESPOSTA
Tendo ouvido a Palavra de Cristo e participado no seu corpo e sangue, “deixamos a Palavra de Cristo habitar em nós, ricamente, cantando salmos e hinos e cânticos espirituais, com ações de graças em nossos corações a Deus” (Cl 3.16).


BENÇÃO FINAL
No culto de adoração, o Deus Trino dá a primeira palavra e a palavra final. E ambas são anúncios de sua graça. Com as mãos erguidas, o ministro abençoa o povo de Deus com a Palavra de Deus, que está disponível a todos os que o recebem por meio da fé: “A graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós” (2Co 13.14).


CÂNTICO DO TRÍPLICE “AMÉM”
Tendo recebido a benção apostólica, cantamos “amém” [que significa “assim seja”] em resposta a cada benção proferida em relação às Pessoas da Trindade.


APRESENTAÇÃO DE VISITANTES E AVISOS
Encerrado o culto solene os visitantes poderão ser apresentados. Deve-se usar de discrição, respeito e alegria pela sua presença, convidando-os a retornar mais vezes, e a continuarem no conhecimento de Cristo.

Os avisos, de modo apropriado, são entregues para notificar, orientar, ou esclarecer as atividades da agenda da igreja local ou situações urgentes.


NOTAS:
[1] Traduzido e adaptado de http://www.christurc.org/reformed-worship-explained/ . Este é apenas um modelo de liturgia reformada de um culto comum, obviamente, há elementos que foram omitidos como batismo, votos e juramentos de ordenação, etc. A ordem, o modo e outros detalhes de como realizar os elementos do culto são chamados de circunstâncias do culto, e devem ser decididos pelo pastor junto aos presbíteros. Barry Gritters observa que “a pregação está no coração e no centro de cada culto de adoração reformado” in: Public Worship ant the Reformed Faith, p. 18. Por isso, o Princípio Regulador do Culto é parte essencial da identidade do culto reformado.
[2] D.G. Buttrick afirma que “o que distingue a adoração Reformada é mais a sua teologia do que a sua prática particular. A tradição presbiteriana/reformada de culto a Deus é para a glória a Deus. O nosso “principal fim” é glorificar a Deus. Assim, a adoração nas igrejas Reformadas tem muitas vezes designada pelo objetivo – o foco é Deus e não os sentimentos religiosas.” D.G. Buttrick, “Worship, Presbyterians and,” in: Mark A. Noll, ed., Dictionary of the Presbyterian & Reformed Tradition in America, p. 281.

30 novembro 2018

A Delegação Inglesa no Sínodo de Dordt

A delegação inglesa foi designada pelo rei, e não pela Igreja.[1] Dos quatro primeiros delegados ingleses incluíam entre eles um bispo e dois futuros bispos. James I, que não simpatizava com os puritanos e presbiterianos na Inglaterra e na Escócia, enviou cinco episcopais para representá-lo. Os calvinistas, apesar de erastianos, seguiram o seu pacífico e moderado conselho. Os delegados eram o Dr. George Carleton (não relacionado ao embaixador britânico), bispo de Llandaff; Dr. Joseph Hall, decano de Worcester; Dr. John Davenant, Mestre do Queens College, em Cambridge, e Professor de Teologia; e o Dr. Samuel Ward, mestre do Sidney Sussex College, em Cambridge, e arquidiácono de Taunton.

As instruções dadas ao Rei James I e aos teólogos ingleses:[2]
1. Nossa vontade e prazer é que a partir deste momento em diante em todas as ocasiões vocês se acostumem com a prática da língua latina, de modo que, quando houver ocasião, vocês possam exercitar as suas mentes com maior desembaraço e facilidade.
2. Vocês deverão em todos os pontos a serem debatidos e disputados resolverem entre si, antecipadamente, qual é o verdadeiro estado do assunto, de modo que, alegre e uniformemente sejam concordes.
3. E se pelos eruditos no debate do tema, emergir qualquer coisa da qual vocês não pensaram antes, deverão se reunir e consultar novamente, e assim resolver entre vocês satisfatoriamente o que está apto a ser mantido. E isso deverá estar de acordo com as Escrituras e à doutrina da igreja da Inglaterra.
4. Seu conselho deve ser àquelas igrejas que seus ministros não entregam no púlpito para as pessoas estas coisas como doutrinas ordinárias, que são os pontos mais altos das escolas, e não servem para capacidade vulgar, mas são disputáveis em ambos os lados.[3]
5. Que eles se conformem às confissões públicas das igrejas reformadas circunvizinhas, com as quais devem ter boa correspondência, sem desonra para elas.
6. Que se alguém quiser opor-se entre aqueles que adicionam as suas próprias opiniões, seu esforço será que certas posições sejam moderadamente estabelecidas, e que possam tender a amenizar em ambos os lados.

(Exeter College, Oxford, MS. 48, folios 1.)

NOTAS:
[1] H.R. Trevor-Roper, King James I and his Bishops (History Today, Sept. 1955), pp. 571-581, citado em http://archive.churchsociety.org/churchman/documents/Cman_106_2_Dewar.pdf acessado em 18/10/2018.
[2] http://archive.churchsociety.org/churchman/documents/Cman_106_2_Dewar.pdf acessado em 18/10/2018.
[3] O texto original trás “Your advise shall be to those churches that theire ministers do not deliver in the pulpit to the people these things for ordinary doctrines which are the highest points of schooles, & not fit for vulgar capacity, but disputable on bothe sides.”

26 novembro 2018

Evangélicos incompreendidos e a morte de John Allen Chau

Por Thomas Kidd


As convicções centrais dos evangélicos, incluindo a necessidade de salvação através de Cristo e o mandato de compartilhar a fé, estão se tornando cada vez mais incompreensíveis para uma cultura americana pós-cristã. Não há melhor ilustração dessa incompreensibilidade na reação da mídia à trágica morte de John Allen Chau, enquanto ele tentava alcançar a sociedade isolada de caçadores da Ilha Sentinela do Norte, na distante da costa da Índia.

As leis indianas proíbem o contato com o povo da Ilha Sentinela do Norte, em parte devido à suposição de que são excepcionalmente vulneráveis a doenças epidêmicas. Reportagens da mídia sugerem que Chau (um graduado da Universidade Oral Roberts) não disse a verdade sobre suas razões para entrar na Índia.

Certamente não defenderia a quebra duma lei a fim de promover os objetivos evangelísticos. É claro que os missionários “fazedores de tendas” têm uma longa história como uma forma de contornar as proibições ao evangelismo aberto. (Eles são trabalhadores ou turistas de longo prazo e compartilham o evangelho em ambientes privados). Embora tenhamos forte apoio das Escrituras para a ideia de que quando as autoridades temporais instruem os crentes a não compartilhar a sua fé, o crente deve obedecer a Deus e não ao homem (At 5.29).

Uma das reações mais incompreensíveis à morte de Chau veio, surpreendentemente, no Wall Street Journal. Eu escrevi um artigo para eles sobre a morte do missionário Michael Riddering em Burkina Faso em 2016, de modo que o Jornal se sabe que é capaz de fazerem uma reportagem compreensiva a tais tragédias. Mas a coluna do jornalista Tunku Varadarajan demonstra desprezo por Chau e, aparentemente, não entende da mentalidade ou das motivações de Chau.

Dado o simbolismo e a óbvia tragédia de sua morte, haverá aqueles que atribuem nobreza a Chau e coragem ... . Mas vá com calma no relato de Chau e no seu fim confuso e martirizado. Ele quebrou a lei indiana ao entrar no país com um visto de turista enquanto intencionava realizar uma missão evangelística. O visto de Chau seria recusado caso mencionasse as palavras “Ilha Sentinela do Norte”… .

O que tivemos no final foi o teatro fútil e fatal de um homem. Mas há uma consequência moral: o missionário encontrou o martírio, os sentineleses tiraram uma vida. Dessa tragédia virá uma nova e vigorosa consciência de quem eles são e do que eles não precisam. E isso inclui Bíblias à prova d'água.

Um atento observador perceberia que, por mais mal elaborado que fosse o plano de Chau, fazia sentido para ele determinadas suposições evangélicas sobre a salvação e a eternidade. "Deixe a Ilha Sentinela do Norte sozinha" faz todo o sentido se o que você crê sobre Deus não tem nada a ver com o seu destino eterno. Se não há vida após a morte (ou se não podemos saber nada sobre a vida após a morte), então o que Chau estava fazendo era o auge da insensatez.

Eu não sei muito sobre os detalhes da fé de Chau, e parecia que ele não estava trabalhando com uma organização missionária. Mas as suas anotações no diário sugerem que ele cria que a reconciliação com Deus através de Cristo é a coisa mais importante na vida. É uma questão de vida ou morte para todos e, portanto, algo pelo qual você daria a sua vida. Isso é lógico, se você aceitar que os evangélicos acreditam que isso é a verdade.

A resposta do Jornal à morte de Chau está em contraste com a cobertura da mídia de Jim Elliot e dos mártires do Equador em 1956. Em particular, a revista Life realizou uma reportagem muito simpática à morte de Elliot e de seus companheiros missionários num ataque de flechas pelos índios Waorani.

A diferença da reportagem certamente tem a ver com o fato de que Chau parece, à primeira vista, mais um ator trapaceiro do que Elliot. Mas o contraste também é uma medida de quanto a cultura americana mudou nas seis décadas seguintes. Uma revista nacional como a Life, em 1956, pelo menos ressoaria com a tentativa de trazer a civilização ocidental para pessoas que eles chamavam de “selvagens da Idade da Pedra”. Mas a Life também representava fielmente a agenda evangélica de Elliot, explicando que ele e seus colegas estavam sob comissão divina ao pregar o evangelho a todas as nações.

Seis décadas depois, vivemos no mundo onde as elites acadêmicas e da mídia são alérgicas à noção de que uma cultura é superior à outra. Muitos evangélicos - especialmente os missionários - aplaudiriam esse afastamento de um senso de superioridade cultural ocidental também. Mas perdura a convicção evangélica sobre a verdade transcendente do evangelho para todas as pessoas. Essa convicção leva muitos a fazerem coisas aparentemente imprudentes para compartilhar o evangelho, mesmo com aqueles que não querem ouvi-lo. Podemos esperar que alguns no mundo da observação denunciem tais evangelistas como tolos e intrometidos.

Esse tipo de desprezo nos proporciona o tipo de status cultural que as Escrituras prometem que teríamos. “Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem, mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus” (1Co 1.18).


Acessado em https://www.thegospelcoalition.org/blogs/evangelical-history/incomprehensible-evangelicals-death-john-allen-chau/

29 outubro 2018

Porque a Esquerda não consegue entender o Islamismo

por Daniel Greenfield



Conhecer a verdade sobre o islamismo destruiria a esquerda.

O maior erro intelectual da esquerda é sua convicção de que o mundo pode ser dividido em uma luta binária pelo poder, na qual ambos os lados concordam a respeito de sua natureza, mas discordam a respeito de seus resultados.

Para os esquerdistas de uma determinada geração, era um problema de classes. Marx começou o Manifesto Comunista esquematizando uma luta fundamental de classes por toda a história humana. Para os marxistas, todas as coisas do mundo poderiam ser desmembradas em uma luta de classes, com os opressores ricos de um lado e os oprimidos de outro.

Não importava que esse modelo não se encaixasse na realidade de que os líderes comunistas haviam vindo de ambientes ricos e seus oponentes provavelmente eram pobres camponeses. Para a esquerda, todas as coisas são definidas pelo modelo. A realidade é uma inconveniência que é suprimida através dos gulags* ou dos esquadrões de fuzilamento.

Atualmente, a variável é a política de identidade. Tudo deve ser interseccional. Há aqueles que ficam do lado direito da história, a favor do aborto, do casamento gay e da imigração ilegal. Todos os que não estiverem a bordo são racistas, mesmo que forem negros ou latinos; sexistas, mesmo que sejam do sexo feminino; ou homofóbicos, mesmo que sejam gays. Novamente, a realidade não interessa. A luta binária é o modelo para tudo.

A esquerda acredita que haja uma luta binária a respeito do futuro da humanidade com somente dois lados. Ela não entende como a direita de fato pensa, e ela não tem espaço para entender sistemas de crenças igualmente convincentes que funcionam fora desse modelo.

É aí que entra o islamismo. Ou não entra.

A esquerda jamais foi capaz de entender a religião. Ela não é tão secular ou ateísta quanto é consumida por um convincente sistema de crenças próprio que não deixa nenhum espaço para a convicção religiosa.

A esquerda não consegue entender nada em termos do que uma determinada coisa seja. Ela só consegue entender as coisas em termos de si mesma. A esquerda não consegue entender a religião nos termos da religião, mas somente nos termos de como a religião se encaixa na esquerda.

Incapaz de entender religião, a esquerda atribui à religião um lugar baseado em seu alinhamento na luta. Seria a religião uma força reacionária que sustenta a ordem existente ou uma força progressista que se opõe a ela? A religião está trabalhando com as classes dominantes ou com os oprimidos? A religião está ao lado da esquerda ou ao lado da direita?

O islamismo é racista, sexista, xenofóbico e homofóbico.

A Fraternidade Muçulmana, que se tornou a aliada islâmica mais próxima da esquerda, foi politicamente influenciada pela Alemanha nazista. Seus líderes ficaram indignados com o fim do feudalismo do califado e mantêm extensas redes de negócios em todo o mundo. Eles incitam revoltas contra as minorias e buscam estabelecer uma teocracia.

Se existe uma organização muçulmana que deveria ser um modelo de grupo reacionário, fascista e fundamentalista, essa organização é a Fraternidade Muçulmana. Mas, em vez disso, a esquerda vive de aconchego com esse grupo violento e odioso. Por quê?

Porque no Ocidente a Fraternidade Muçulmana está alinhada com suas causas progressistas. Portanto, ela não pode ser reacionária. Se a Fraternidade Muçulmana fosse alinhada com os conservadores, então ela seria o inimigo.

Assim, os progressistas não se importam com o que diz o Corão. Ele não significa nada para eles, assim como a Bíblia não significa nada para eles. A religião está do lado da justiça social ou não está. Como os muçulmanos são parte de sua gloriosa coalizão interseccional multiforme, então o islamismo deve ser uma religião boa.

É assim estupidamente simples. E não há quantidade de citações do Corão que fará com que isso mude.

Há nisso um forte elemento de cinismo. O inimigo do meu inimigo é meu amigo. Mas há também uma inabilidade mais profunda da esquerda em entender o islamismo e qualquer outra ideologia que esteja fora de sua visão de mundo.

A esquerda reagiu ao surgimento do ISIS com uma incoerência frenética. Os esquerdistas literalmente não conseguiam entender o que fez com que o Estado Islâmico progredisse, porque ele não se encaixava em nenhum dos modelos políticos esquerdistas. O ISIS não podia existir, entretanto, não havia como negar sua existência. E assim, os intelectuais e os políticos esquerdistas gaguejaram que os membros do ISIS eram niilistas, que não acreditavam em nada, embora ninguém se exploda por não acreditar em nada.

[Segundo a esquerda,] os terroristas muçulmanos não matam as pessoas por causa de Alá, do Corão ou do Califado. Isso não se encaixa no modelo. Eles matam porque, como todos os povos do Terceiro Mundo vitimizados pelo colonialismo, são oprimidos. Um terrorista muçulmano não mata judeus ou americanos porque o Corão ordena que os fiéis subjuguem todos os não muçulmanos. Um migrante muçulmano não ataca sexualmente mulheres alemãs porque o Corão permite que o faça.

Estas são todas reações à opressão ocidental. Os opressores muçulmanos são, na verdade, os oprimidos.

Mas o Estado Islâmico matou outros muçulmanos para estabelecer um califado governado pela lei islâmica. Os muçulmanos oprimidos estavam subitamente agindo como os perversos opressores ocidentais. E, se os muçulmanos podem ser opressores, então todo o modelo binário que a esquerda estava usando para explicar o mundo começa a desabar.

Quando a esquerda se levanta contra as inconsistências de seu modelo binário, ela não revisa o modelo. Ao contrário, tenta entender o motivo pelo qual as pessoas estão agindo tão irracionalmente que não se enquadram no modelo. Por que os brancos pobres da área rural não votam na esquerda? Deve ser porque ouviram programas de rádio conservadores e por racismo. Como pode haver minorias conservadoras? Falsa consciência. Também, pudera, Thomas Sowell e Stacey Dash não são “de fato” minorias.

O islamismo e os muçulmanos estão fundamentalmente fora do modelo da esquerda. Eles são parte de sua própria luta binária entre o islamismo e tudo o mais que existe. Eles têm seu próprio “lado certo da história”.

O islamismo e a esquerda, ambos, reivindicam ter sistemas “perfeitos” que podem criar uma utopia... depois de um monte de matanças. Eles estão alinhados um com o outro, todavia são incapazes de entender um ao outro porque suas visões de mundo não deixam espaço para nada além de seus modelos perfeitos. Os esquerdistas desprezam os fundamentalistas e os islâmicos desprezam os ateus e, mesmo assim, eles estão trabalhando juntos enquanto um ignora aquilo em que o outro crê.

A esquerda não consegue processar a ideia de que a religião transcende a política. Na melhor das hipóteses, os esquerdistas veem a religião como um subconjunto da política. E como o islamismo toma a forma de seu eixo político, ele deve ser progressista. Mas, para os muçulmanos, a política é um subconjunto da religião. A política não pode transcender a religião porque ela é uma expressão da religião.

Os esquerdistas não entendem a religião e, por isso, não conseguem entender os muçulmanos. Eles veem o islamismo como outra religião a ser trazida para dentro de sua esfera de influência para promover a justiça social aos seus seguidores. Eles não conseguem entender que os clérigos muçulmanos não se tornarão pregadores da justiça social, ou que os muçulmanos matam porque acreditam genuinamente em Alá e em um paraíso para os mártires. Essas ideias são estranhas aos esquerdistas.

A aliança entre o islamismo e a esquerda coloca juntas duas visões de mundo de mentalidade bem limitada. A esquerda não consegue reconhecer que o islamismo quer algo diferente de casamento gay, direito ao aborto, salário mínimo de 15 dólares por hora, empregos verdes, e todo o restante da infindável agenda de justiça social, pois o colocaria do mesmo lado dos republicanos e do restante da direita. E isso também não é assim, mesmo.

A esquerda não precisa desistir de suas crenças para entender o islamismo. Mas ela teria que abandonar seu pensamento binário e reconhecer que houve e há outras lutas no mundo, diferentes daquelas que os esquerdistas definem. E isto a esquerda não está disposta a fazer porque uma luta binária é o que torna sua visão de mundo tão abrangente. Se sua visão de mundo não abranger o mundo, então ela não pode exigir o poder absoluto.

A esquerda não consegue aceitar que sua grande luta é realmente um desastroso show secundário em um conflito civilizacional maior, ou que sua agenda não é universal, mas é produto de uma tendência intelectual particular que tem pouca aplicação fora de sua própria bolha. Assim, a esquerda continuará rejeitando a verdade sobre o islamismo porque aprender a verdade sobre ele não somente destruiria sua aliança com o islamismo, mas também destruiria a própria esquerda.


Daniel Greenfield, jornalista do David Horowitz Freedom Center, é um escritor de Nova Iorque que enfoca o islamismo radical.
No blog - http://sultanknish.blogspot.com

06 outubro 2018

Remédios preciosos contra as artimanhas do Diabo - Capítulo 10

Existe outro método do diabo para impedir o serviço dos crentes, consiste em leva-los a pensar que há um pequeno número de pessoas que servem a Cristo e que essas pessoas são os menos importantes, os de menos influência e os mais pobres de todos. Satanás lhes dirá: “Garanto que não querem desperdiçar a sua vida no meio de um povo como este, sem poder, sem influência, ignorantes e pobres. Não vale a pena obedecer a Deus se seu povo é assim”. Como os crentes devem reagir quando o diabo lhes fala desta maneira?

Primeiro, devem recordar que ainda que Satanás chame aos seguidores de Cristo de pobres, e ainda que sejam pobres quanto aos bens do mundo, na realidade são os mais ricos. Não são ricos quanto ao dinheiro, ou quanto aos bens, mas ricos nas bençãos de Deus. Tiago falando deste assunto escreveu: “Meus amados irmãos ouçam: Não escolheu Deus aos pobres deste mundo, para que sejam ricos na fé e herdeiros do reino que prometeu aos que lhe amam?” (Tg 2.5). Estes poucos, pobres e insignificantes cristãos como Satanás lhes chamaria, na verdade são os mais ricos e poderosos do mundo. Ainda que tenham pouco em suas mãos, possuem muito em suas esperanças. Ainda que quase não tenham nada no tempo presente, são os herdeiros do glorioso reino de Deus.

Os crentes também devem recordar que ao longo da história humana, alguns dos crentes são ricos e famosos. Por exemplo Abraão e Jó são dois casos de crentes que eram ricos em bens materiais. Então, Satanás não tem razão em dizer que todos os crentes sempre foram pobres. Alguns crentes são ricos em bens deste mundo e todos são ricos em bençãos espirituais.

As bênçãos espirituais são maiores que todas as riquezas terrenas de todos os inconversos no mundo. O crente mais pobre com bênçãos espirituais, possui mais do que a pessoa mais rica da terra sem elas. As bençãos espirituais satisfazem quando as bênçãos materiais não podem fazê-lo. Jesus falou das bênçãos espirituais como água viva: “O que beber da água que eu lhe darei, jamais terá sede; mas a água que eu lhe darei será uma fonte de água viva para a vida eterna” (Jo 4.14). Os crentes têm bênçãos perduráveis que nunca poderão ser tiradas deles. As bênçãos dos crentes lhes acompanham em todo o tempo: na prisão, no tempo da enfermidade, na hora da morte e na eternidade. Nenhuma das riquezas terrenas podem fazer isto. Quem é realmente pobre? O que crente é chamado de “pobre”, ou o inconverso mais rico da terra?

Satanás está ocultando parte da verdade quando diz que somente há crentes pobres no mundo. Ainda que pareça que seja assim, a realidade é outra. O número total de crentes no mundo é enorme. E o número de crentes que existe no decorrer da história também é expressivo. Apocalipse 7.9 diz que o apóstolo João viu “uma grande multidão a qual ninguém poderia contar, de todas as nações, tribos e povos e línguas, que estavam diante do trono e da presença do Cordeiro”. Ainda que seja possível que muitos crentes vivam em lugares onde existam poucos cristãos e muitos deles sejam pobres e humildes, nem sempre é assim. Em breve virá o dia em que estes crentes pobres e humildes brilharão como o sol. Paulo escreveu acerca de como Deus levantou aos crentes e os fez assentar nos lugares celestiais (Ef 2.6). Haverá um dia em que Deus mostrará ao mundo o quão bendito é o seu povo. Então os ricos da terra invejarão aos crentes, que antes julgaram como pobres.

03 outubro 2018

A igreja em tempo de eleição política

Por Kevin DeYoung


Eu sempre me interessei por política. Estudei religião e ciência política na faculdade. E continuo a ler consistentemente em economia, sociologia, política e eventos atuais. Como pastor, espero que os membros da minha igreja estejam bem informados e engajados no processo político. Como cristãos, devemos levar a sério nossa responsabilidade de ser sal e luz num mundo que é frequentemente podre e escuro.

No entanto, acredito que os pastores devem ter muito cuidado com a forma como lideram suas igrejas em nossa cultura politicamente polarizada. Sei que existem bons irmãos e irmãs que podem discordar desses princípios e suas implicações práticas. Mas, no mínimo, os pastores devem discipular seus líderes e suas congregações ao pensar sobre esses assuntos com sabedoria e teologicamente.

Deixe-me mencionar duas coisas que faço e três coisas que não faço como pastor.

Como pastor, eu oro publicamente por líderes e por questões controversas. Somos ordenados a orar pelas autoridades governamentais, quer concordemos com elas, gostemos delas ou confiamos nelas, ou não (1Tm 2.1-2). Da mesma forma, acho apropriado incluir alguns eventos atuais na oração pastoral semanal. Ao longo dos últimos anos, incluí itens relacionados a Ferguson, Charlottesville, tiroteios policiais em Dallas, a eleição presidencial, casamento gay, Roe v. Wade, o aniversário do assassinato de MLK, e dezenas de eventos que poderiam ser interpretados como “políticos”. No entanto, confio que as orações não eram políticas no pior sentido da palavra. Eu me esforço para ter certeza de que tudo pelo que eu oro tenha amparo bíblico. Durante uma temporada eleitoral, os pastores devem orar para que Deus opere no processo político para nos dar líderes piedosos que são marcados pela habilidade, prudência, honestidade, coragem, humildade e compaixão.

Como pastor, falo de questões controversas, conforme elas surgem do texto das Escrituras. Ao pregar em Êxodo 21, falei sobre a história da escravidão e os males dela em nosso país. Mais adiante, no capítulo, falei sobre o mal do aborto. No capítulo 22, falei sobre a definição bíblica de justiça. Eu também falei sobre o entendimento bíblico do viajante e como cristãos devem amar o estrangeiro e o imigrante (e como isso não se traduz automaticamente em uma determinada política de imigração). Todos estes sermões tocaram em tópicos políticos. Eu não mencionei um candidato, um partido político ou defendo qualquer política ou legislação específica. Eu simplesmente falei sobre questões que estavam manifestamente no texto. Não podemos ensinar todo o conselho de Deus sem nos aventurarmos, de vez em quando, entrar em território difícil, que pode ser impopular em nosso contexto cultural.

Como pastor, não forneço guias eleitorais para a congregação. Eu sei que existem outros pastores que defendem a prática, mas na minha experiência, mesmo os guias eleitorais não-partidários nunca são completamente apartidários. Em 2016, vi um guia de eleitor não-apartidário do Conselho de Pesquisa da Família e outro da Sojourners. Ambos os guias foram projetados para informar os cristãos sobre as questões importantes que enfrentamos na eleição e como pensar sobre essas questões do ponto de vista cristão. Não surpreendentemente, os dois guias falaram sobre questões muito diferentes e apresentaram a visão cristã de maneiras muito diferentes. Apenas um republicano obstinado poderia pensar que o guia do FRC não era partidário. Apenas um democrata rígido podia pensar que o guia dos Sojourners era apartidário.

Admitido isso, reconhecemos que existem outros guias que são menos didáticos e mais informativos. Muitos guias não-partidários fazem uma série de perguntas aos candidatos e registram onde estão as questões-chave. Mas mesmo aqui, os guias que vi ao longo dos anos têm um ângulo definido. Se você tem apenas doze perguntas para fazer aos candidatos, o que você pergunta diz muito sobre as questões que você considera importantes, e a redação de cada pergunta, geralmente, reflete certas prioridades. Em suma, não acredito que os guias eleitorais não-partidários sejam realmente apartidários.

Há também a questão prática de como visitantes e "estrangeiros" tendem a ver esses guias. Para jovens maduros e minorias, a “importância” das guias eleitorais, geralmente, sinalizam “esta é uma igreja para os republicanos.” Podemos dizer que não é a intenção, e acredito que a maioria dos cristãos apaixonados por essas guias são motivados por um desejo sincero de informar as pessoas sobre as questões, mas o fato é que a maioria das igrejas evangélicas brancas já é esmagadoramente republicana. Não vamos dar aos visitantes mais motivos para pensar que essa é uma igreja, principalmente para os conservadores do Partido Republicano (ou vice-versa, se você é conhecido como uma igreja progressista).

Isso significa que alguns candidatos e algumas posições não são melhores que os outros? Claro que não. Eleições é algo realmente importante. Isso tudo significa que eu não me importo com aborto, casamento ou liberdade religiosa (ou reforma da imigração ou reforma da justiça criminal)? Não, eu escrevi sobre todas essas coisas. Eu oro sobre esses assuntos a partir do púlpito, quando apropriado, e eu falo sobre eles no púlpito quando eles aparecem na Bíblia. Eu quero que meu povo seja informado sobre política, assim como espero que eles estejam informados sobre muitas outras coisas. Mas eu não acredito que seja o chamado da igreja, como igreja, fornecer perfis de candidatos, especialmente quando os canais normais para fornecer essas informações nunca são inteiramente objetivos.

Como pastor, eu não encorajo as campanhas de registro de eleitores no saguão da igreja. [2] Eu acredito que votar é uma coisa boa. Quando me mudei de Michigan para Iowa para a minha primeira igreja, fiz questão de votar no primeiro turno de Agosto, no início da manhã, antes de dirigir 12 horas para minha nova casa. Eu acredito que os cristãos fariam bem em se informar e votar. E, no entanto, estou muito pressionado para encontrar autorização escriturística para pensar que os cristãos devem votar como uma questão de obediência a Cristo. Ao conduzir o registro de eleitores na igreja, estamos nos comunicando: “Isto é o que os cristãos devem fazer”. Votar geralmente é uma coisa boa, mas eu não tenho autoridade bíblica para dizer que um cristão deve votar (exercitaríamos a disciplina da igreja em alguém que não o fizesse?), nem penso que votar é uma expressão tão necessária do fruto do Espírito que é responsabilidade da igreja fazer com que as pessoas sejam registradas.

Os puritanos foram sábios em estabelecer o Princípio Regulador para o culto. A igreja não tem autoridade para ligar a consciência ou emitir ordens exceto por explícita garantia bíblica, ou quando deduzida por boa e necessária consequência. Grande parte da polarização política na igreja poderia ser muito ajudada se o Princípio Regulador fosse aplicado a questões culturais, bem como ao culto. O objetivo do Princípio Regulador não é fazer com que todos sejam tendenciosos teologicamente (embora isso também possa ser bom). O objetivo é proteger a liberdade cristã e preservar a unidade dos cristãos, os quais são, em última instância, a manutenção de um testemunho fiel do evangelho em nosso mundo.
Um último pensamento sobre o assunto. Tanto quanto eu espero que os cristãos de mentalidade bíblica votem, devemos ter cuidado para não equacionarmos “sal e luz” com vitórias políticas. O engajamento político é apenas uma maneira de amar o próximo e tentar ser uma presença fiel na cultura. Da mesma forma, não devemos supor que todas as boas causas devem entrar no orçamento da igreja, no boletim da igreja ou no lobby da igreja. Há milhares de maneiras pelas quais os cristãos individuais viverão suas vocações, usarão seus dons e exercerão suas paixões - e a grande maioria dessas maneiras não envolverá anúncios do púlpito ou de atividades patrocinadas pela igreja.

Como pastor, eu não dou projeção pública aos candidatos em nossa igreja (ou à candidatos que visitam nossa igreja), especialmente, durante uma temporada eleitoral. Mesmo com a melhor das intenções, a apresentação de um candidato injeta uma nota de política no culto. É claro que damos boas-vindas a todos os candidatos políticos que venham adorar conosco ou simplesmente para conhecer a nossa igreja, mas pedir (ou convidar) uma apresentação ou reconhecimento durante o culto de adoração, apropria-se indevidamente do propósito da reunião do Dia do Senhor. Eu não quero que haja alguma confusão sobre se a igreja está endossando um candidato, ao observar a sua presença conosco. Também não quero dar ao candidato a oportunidade de ser visto e reconhecido no culto público. Ele (ou ela) deve estar no culto para adorar, não para ser visto como alguém que adora. E se o objetivo é simplesmente atender aos constituintes, esse propósito pode ser melhor realizado em outro local, em outro momento.

Eu entendo que esses três “não” são práticas comuns em igrejas de muitas tradições diferentes. Igrejas republicanas, que apoiam ao Trump, fazem essas coisas. Igrejas democratas, que opõem-se ao Trump, fazem essas coisas. Mas por mais comuns que sejam essas coisas, não acredito que sejam sábias. Eles presumem para a igreja uma autoridade que ela não possui, e eles apresentam um obstáculo à comunhão que não precisa estar presente.

A realidade é que essas práticas são comuns em muitas igrejas, porque muitas delas são politicamente uniformes. Os guias de eleitores ocorrem porque quase todos já concordam com eles. O candidato é reconhecido porque quase todos já votam nesse partido. A inscrição no eleitor acontece porque supomos que as pessoas em nossa igreja vão votar nas pessoas que votamos. Meu receio é que, juntas, essas medidas sejam mais eficazes para limitar o número de pessoas que se sentem à vontade em nossa igreja do que para aumentar o número de pessoas que votam “do modo certo”.

Para ter certeza, os cristãos podem se esforçar em educar e mobilizar seus compatriotas cidadãos americanos, mas a única finalidade, propósito e garantia da igreja é educar e mobilizar nossos concidadãos do céu. Não devemos confundir uma missão com a outra.


NOTAS:
[1] Acessado em https://www.thegospelcoalition.org/blogs/kevin-deyoung/church-election-time/
[2] Nos EUA o voto é voluntário. N. do tradutor.

26 setembro 2018

Remédios preciosos contra as artimanhas do Diabo - Capítulo 9

Continuemos pensando em outras duas maneiras em que o diabo procura afastar os crentes de seu serviço a Deus. Primeiro, lhes fará pensar que tão difícil é seguir a Cristo. Ele lhes dirá que é difícil orar, é difícil pensar constantemente nas coisas espirituais, que é difícil ter comunhão com os outros crentes, difícil de obedecer, etc.

O primeiro remédio contra tal maquinação é o pensar mais na necessidade de servir a Cristo, que nas dificuldades que terão ao servi-lo. Os crentes devem servir a Cristo para mostrar-lhe o seu agradecimento. Os crentes necessitam crescer em santidade para que possam vencer o pecado. Necessitam ser obedientes a Deus para que possam cumprir a sua obra neste mundo. Os crentes necessitam seguir a Cristo para que o propósito de Deus seja cumprido em suas vidas. Não há dúvida que os crentes enfrentarão problemas e dificuldades ao seguir a Cristo, mas os crentes verdadeiros assumem esta responsabilidade, mesmo cientes dos problemas que possam sobrevir-lhes.

Segundo, os crentes devem recordar, que se realmente querem servir a Cristo, Ele lhes ajudará tanto que não lhes será difícil. Talvez, no início não lhes pareça fácil, mas enquanto forem cumprindo a vontade de Deus, descobrirão que experimentam grande gozo ao realiza-la. Enquanto serve a Deus, encontra de modo pessoal que Deus lhe está apoiando, fortalecendo, animando e guiando através do caminho mais difícil. Podemos ver na Bíblia como as pessoas zombavam de Neemias e dos demais judeus que pretendiam levantar novamente os muros de Jerusalém. Todavia, Neemias contava com a fortaleza de Deus como sua ajuda. Neemias 2.20 disse: “O Deus dos céus, Ele nos prosperará, e como seus servos nos levantaremos e edificaremos...”. Igualmente Isaías disse a respeito de Deus: “Saíste ao encontro de quem com alegria para a justiça, dos que acordavam de ti em teus caminhos...” (Is 64.5).

Também os crentes necessitam pensar muito acerca das dificuldades que o próprio Cristo sofreu, de como Ele nunca fugiu do sofrimento. Suportou os piores sofrimentos em corpo e alma para o nosso bem-estar espiritual e para o nosso bem eterno. Em Isaías 50.6 Cristo disse: “Dei meu corpo aos algozes, e minhas bochechas aos que me arrancavam a barba, não escondi o meu rosto das injúrias e dos escarros.” Cristo suportou a ira do Pai, a carga dos nossos pecados, a malícia de Satanás e o ódio do mundo. Porque Cristo sofreu tanto pelos nossos, devemos obedecer-lhe e viver para Ele, ainda que isto signifique que tenhamos que sofrer de alguma forma.

Os crentes devem perceber que servir a Cristo é difícil somente para o seu velho homem, os remanescentes de sua natureza caída. Todos os crentes estão obrigados a despojar-se do velho homem e a passada maneira de viver e a vestir-se do novo homem (Ef 4.22-23). O novo homem tem prazer em seguir a Cristo, é a sua natureza pecaminosa quem não gosta de servir a Deus. Em Romanos 7.22 o apóstolo Paulo disse: “Segundo o homem interior (o novo homem) me deleito na lei de Deus”. Para a nova criatura o jugo de Cristo é fácil e sua carga é leve (Mt 11.30). Para o novo homem os mandamentos de Deus não são pesados, mas sim causa de gozo. Todos os crentes sabem que esta é a verdade, e há algo em seu interior que lhes faz desfrutá-la agradando a Deus.

Finalmente, há grandes recompensas para aqueles que apesar de suas dificuldades seguem a Cristo fielmente. Há galardões no futuro. O céu recompensará tudo. No livro de Hebreus lemos acerca da fé de Moisés que teve por maiores riquezas o vitupério de Cristo que os tesouros dos egípcios, porque contemplava o galardão (Hb 11.26). Além disso, há recompensas nesta vida para aqueles que seguem a Cristo apesar das dificuldades. O Salmo 19.11 disse que ao guardar os mandamentos há grande recompensa. Quão néscios são os crentes que permitem que Satanás lhes roube este grande galardão.

Satanás pode usar outro método para conseguir que os crentes não sirvam à Deus. Pode tratar que pensem equivocadamente acerca do que Cristo fez em favor deles. Ele lhes sugerirá que por ter Cristo realizado tudo pelo seu povo, tendo lhes perdoado, justificado e garantido a sua chegada ao céu, então não há nada que fazer, a não ser contentar e satisfazer-se. Satanás deseja que pensem que pelo fato de Cristo ter sido castigado como seu substituto e que Cristo está no céu preparando um lugar para eles, então, não há necessidade de orar, arrepender-se, de estudar a Palavra, de reunir-se com outros crentes. Enfim, porque Cristo nos salvou, não há necessidade de que lhe sirvamos.

Ao fazer estas sugestões, Satanás está tomando uma parte da verdade e converte-a numa mentira. É certo que se não fosse pela obra salvadora de Cristo, não haveria nenhum crente. Todavia, ser um cristão incluí mais do que o mero receber o que Cristo fez. A Bíblia disse: “Não sois de vós mesmos, porque fostes comprados por preço; glorificai, pois, a Deus em vosso corpo e vosso espírito aos quais são de Deus” (1Co 6.19-20). Os crentes pertencem a Cristo. Eles lhe pertencem a fim de que façam sua vontade motivados por gratidão e amor a Ele. Então Satanás mente quando sugere que uma vez que somos salvos por Cristo, não é necessário servir-lhe.

A verdade é que o que Cristo fez e continua realizando pelos crentes constitui o motivo mais forte para servir-lhe. Cristo lhes livrou do poder dominante do pecado, da ira de Deus, da amargura da morte, dos sofrimentos do inferno. Portanto, eles devem servir com alegria e com muita gratidão. Paulo disse a Tito que “Cristo Jesus entregou-se por nós, para redimir-nos de toda iniquidade e purificar para si um povo zeloso de boas obras” (Tt 2.14). O fato de que Cristo se entregou pelos crentes deve estimulá-los a serem zelosos para fazerem o bem. Esta é a razão do porque os verdadeiros crentes sempre são muito ativos no serviço de Cristo. Por outra parte, se não quiserem servir a Deus devem questionar-se se verdadeiramente são crentes. O apóstolo João escreveu: “O que disse que lhe conhece, mas não guarda seus mandamentos, este é mentiroso, e a verdade não está nele” (1Jo 2.4). Uma vez mais temos que observar o equívoco de Satanás: A pessoa salva não é negligente no serviço do seu Salvador. O verdadeiro crente deseja servir a Cristo de todo coração, custe o que custar, porque Cristo sofreu muito para salvar a cada crente.

08 setembro 2018

Remédios preciosos contra as artimanhas do Diabo - Capítulo 8

Trataremos neste capítulo com dois métodos usados pelo enganador para desabilitar e diminuir a eficácia do testemunho dos crentes.

Primeiro, Satanás tratará de promover que este mundo pareça tão atrativo para os crentes que comecem a esquecerem do propósito de Deus para as suas vidas.

Segundo, Satanás dirá aos crentes que viver a vida cristã apenas lhes trará perigos, sofrimentos e perdas. Muitos foram afetados pelo primeiro método mencionado. Por um tempo foram fiéis seguidores de Cristo, até que Satanás conseguiu que o mundo lhes resultasse mais atrativo que Cristo Jesus. Paulatinamente foram atraídos, cada vez mais, para o mundo, tornando-se frios, indiferentes e incapacitados para as coisas espirituais. Aqueles que se sentem tentados desta maneira devem se fixar nos seguintes remédios.

Primeiro, nada do que este mundo nos oferece tem poder para proteger-nos do mal, ou para garantir-nos o sumo bem. Por exemplo, todo o dinheiro do mundo não pode curar a ninguém de uma enfermidade. O poder e a fama não podem garantir a felicidade de uma pessoa. O poder, a influência e o dinheiro não podem ajudar nos tempos de necessidade espiritual. Devemos pensar muito acerca da debilidade e a impotência de todas as coisas terrenas. Porque permitirão os crentes que tais coisas lhes roubem as bençãos espirituais?

Segundo, tudo o que há neste mundo é vazio e sem valor em si mesmo. O livro de Eclesiastes começa declarando este fato: “Que proveito tem o homem de todo o seu trabalho com que se afana debaixo do sol?” (Ec 1.3). A resposta é clara: a pessoa não ganha nada de valor permanente neste mundo.

Terceiro, todas as coisas nesta vida são incertas, inconstantes e sujeitas a mudança. Por exemplo as riquezas são inseguras. Paulo disse: “Aos ricos deste século manda que não sejam altivos, nem colocam a esperança na incerteza das riquezas, senão no Deus vivo” (1Tm 6.17).

Quarto, todas as coisas que parecem tão atraentes neste mundo na realidade são daninhas e perigosas para a nossa própria corrupção. O Salmo 30.6 disse: “E disse eu em minha prosperidade: Não serei jamais abalado.” Cristo disse que o engano das riquezas despreza a Palavra e a torna infrutífera. Quando os israelitas gozavam de prosperidade, se rebelavam contra Deus. Há um perigo enorme na prosperidade: o perigo de contentar-nos com o mundo presente, o perigo de aceitar o que o mundo nos oferece para mudança de nossas almas.

Quinto, todos os prazeres deste mundo estão mesclados com problemas e preocupações. Não há êxito neste mundo que esteja separado da ansiedade e a preocupação. A tristeza acompanha o prazer mundano, o perigo acompanha a segurança mundana, as perdas acompanham os valores do mundo e as lágrimas acompanham os ídolos mundanos.

Sexto, a Bíblia ensina que os crentes devem apegar-se firmemente às coisas eternas e imutáveis, em vez das coisas passageiras deste mundo. Os crentes do Antigo Testamento têm uma fé em Deus que lhes fez ansiar por uma pátria melhor, a celestial (Hb 11.16). Aqueles crentes queriam o melhor. Buscavam a vida celestial e deixaram tudo o que em outro tempo lhes parecia tão atrativo desta vida terrena. Assim, os crentes devem agir, viver mais à luz da glória vindoura e assim ter mais satisfação nesta vida, paz na hora da morte, e uma coroa de justiça quando Cristo se manifestar.

Sétimo, a verdadeira felicidade não se encontra no desfrute das coisas desta vida. A verdadeira felicidade é tão grande e gloriosa que se pode encontrar somente em Deus. Ainda que os homens desfrutem de muitas coisas no presente, sem Deus serão miseráveis para sempre. A felicidade não se encontra nas coisas que não satisfazem a alma. Somente o conhecimento de Deus pode satisfazer-nos.

Oitavo, a alma do homem possuí mais valor do que todo o mundo. Os homens foram criados para algo muito maior do que tudo o que existe neste mundo. Foram criados para conhecer a Deus, conhecer a Cristo, e gozar da presença de Deus para toda a eternidade. Os crentes não devem permitir que se desviem do serviço a Deus pelas artimanhas do diabo. Não devem crer quando lhes dizem que a felicidade neste mundo é a experiência mais importante. Satanás trata de impedir que os crentes sirvam a Cristo dizendo-lhes que a vida cristã apenas conduz a perdas, tristezas e sofrimento. Satanás trata de instigar que temam os problemas que surgirão como resultado de seguirem a Cristo. Quando Satanás tenta aos crentes deste modo, devem pensar que nenhum problema que sobrevier por seguir a Cristo lhes causará dano em forma permanente. Nada lhes poderá retirar a presença e o favor de Deus, ou perdão dos pecados, o gozo do Espírito Santo e a paz de Deus em suas consciências. Os crentes tentados desta forma devem pensar nos perigos que lhes sobrevirão nesta vida, bem como nos perigos espirituais e eternos, se não seguem a Cristo. “Como escaparemos se pouco considerarmos uma tão grande salvação?” (Hb 2.3). Os crentes sofrerão muito mais se descuidarem dos mandamentos de Deus, que devem obedecer ao que Deus lhes ordena. Sempre considerar que os crentes sofrerão mais por desobedecer aos mandamentos de Deus, do que possam sofrer obedecendo.

Além do mais, os crentes devem recordar que os problemas que lhes são enviados por Deus, são uma forma de guarda-los de maiores problemas. Frequentemente os problemas que sofreram lhes serviu como proteção para evitar perigos maiores: por exemplo, o orgulho, a frieza espiritual, a indiferença, a negligência, a amargura, o amor do mundo, etc. Outra coisa que é necessário recordar é que ao viver uma vida santa e servir a Deus, os crentes ganharão muito mais do que possam perder. O apóstolo Paulo disse a Timóteo que a piedade com contentamento é grande lucro (1Tm 6.6). Há gozo, paz e contentamento em servir a Deus, os quais não podem ser encontrados de nenhuma outra maneira. Portanto, os crentes não devem permitir que os problemas que surgem lhes impeçam de servir a Deus, ou seguir a Cristo. Uma vida piedosa tem maior valor permanente de benção que qualquer outra coisa.

04 setembro 2018

Remédios preciosos contra as artimanhas do Diabo - Capítulo 7

Neste capítulo trataremos de outras duas maneiras de como Satanás tenta aos crentes a pecarem. Satanás lhes fará fixar em outras pessoas que são piores pecadores do que eles e que, portanto, não estejam em perigo. Segundo, Satanás lhes fará pensar que o Cristianismo tem erros e que a Bíblia está equivocada nalgumas coisas. Trataremos destes dois métodos usados pelo Diabo.

Primeiro, Satanás quer que os crentes pensem como aquele fariseu que orava e dizia: “Deus te dou graças porque não sou como os demais homens, ladrões, injustos, adúlteros ...” (Lc 18.11). Esta atitude não é honesta, e é uma prova de que é um hipócrita. Os crentes devem examinar suas próprias vidas em primeiro lugar para ver que pecados existem, antes de ver os pecados de outros (Mt 7.3-4). Os crentes não devem se comparar com outras pessoas, mas devem comparar-se com a Bíblia, com as normas divinas para a sua vida. Os crentes sempre devem recordar que todos os que não se arrependem do pecado sofrerão no inferno. Os mais graves pecados receberão maior castigo do que os menores no inferno. Como ajudará aos perdidos o fato de saber que os sofrimentos de uns, serão maiores que os de outros? A triste realidade é que os castigos do inferno ainda que sejam maiores ou menores, durarão para sempre. Então, ninguém deve crer em Satanás quando diz que os seus pecados não são tão graves, nem tão graves como os de outros e que, portanto, não deve se preocupar.

Segundo, Satanás trata de persuadir aos crentes a não levar à sério o Cristianismo. Ele lhes dirá que a Bíblia está cheia de erros, que as narrativas da Bíblia servem apenas para nos dar uma ideia do que sucedeu e nada mais. Satanás lhes dirá que podem fazer o que sua própria natureza lhes indique, sem preocupar-se acerca do que a Bíblia diz do pecado. Dirá a eles que agora não estão sob nenhuma lei, senão a do Espírito e a liberdade. Estes erros e muitos outros serão usados pelo diabo para confundir, distrair e desorientar aos crentes.

A meta do diabo em tudo isto não é a de ajudar aos crentes a pensar melhor, senão é a de confundir e induzi-los que pequem. Satanás lhes sugerirá que se estão se tornando muito sábios e avançados em sua maneira de pensar, quando na realidade sua meta é induzir que caiam no pecado. O propósito de Deus é bem diferente: Deus se opõe não somente que façamos o mal, senão também a que pensemos nele. Romanos 1.28 disse: “Como eles não aprovaram ter em conta a Deus, Deus os entregou a uma mente reprovada para fazer coisas que não convém.” Muitas pessoas pensam equivocadamente e terminam fazendo coisas que não convém. Este texto nos fala do juízo de Deus que veio sobre os povos gentios da antiguidade. Creio que na atualidade Deus está castigando a muitos ao entrega-los a erros que arruinaram as suas almas.

Portanto, os crentes devem recordar que a verdade da Palavra de Deus deve ser incorporada em cada aspecto de suas vidas. Não basta receber a verdade somente na mente; é necessário amá-la e aplica-la a tudo ao que dizemos e fazemos. Somente assim poderemos pensar corretamente, tomar decisões sábias e livrar-nos dos caminhos néscios e vãos, que tanto nos fazem cair. Todo erro significará o desperdício somente perdido para os crentes. Somente os que recebem e amam a verdade em seus corações usufruirão de um são juízo e um pensamento claro. Os que resistem a verdade de Deus estão em perigo de ser entregues ao erro. “Por quanto não receberam o amor pela verdade ... por isso Deus lhes envia um poder enganoso para que creiam a mentira” (2Ts 2.10-11).

As ideias equivocadas ou errôneas que Satanás deseja que os crentes creiam, somente lhes causarão prejuízo. Paulo disse aos crentes que Deus lhes deu o fundamento verdadeiro para uma correta maneira de viver e de pensar. O fundamento é o próprio Cristo (1Co 3.11-15). Edificam ou constroem-se sobre este fundamento coisas equivocadas, ideias errôneas, ao final tudo isto será queimado. Somente a verdade de Deus durará para sempre. Quão néscio é o mau uso do tempo crendo, ou sustentando ideias errôneas apenas para encontrar que no final de tudo foi um esforço infrutífero.

Todos os ensinos que conduzem a uma vida pecaminosa devem ser rejeitados. Paulo disse que os pastores das igrejas devem ser possuidores fiéis da mensagem da verdade a fim de poderem ajudar aos que estão equivocados e convencê-los de seus erros (Tt 1.9). Deus deu a sua verdade ao seu povo, a fim de que possam ser guiados, protegidos e guardados do erro. Portanto, os crentes devem receber a verdade com mansidão. Deus concede a sua graça aos humildes, ou seja, àqueles que deixam aparte de suas próprias ideias para ser cheios da verdade divina. Quanto mais a graça de Deus enche aos crentes, menos suscetíveis serão a ser afetados por ideias errôneas e crenças falsas.

13 agosto 2018

A interpretação de descendit in inferna por Rufino de Aquileya

Também o seu descenso ao inferno foi claramente preanunciado nos Salmos, onde disse: Levaste-me ao pó da morte; e também: Para que serve meu sangue enquanto permanece sob a corrupção? E também: Eu afundei no seio do abismo, nem poder ficar de pé? Também João disse: És tu o que viria (ao inferno, sem dúvida), ou esperamos outro? De modo que Pedro disse: Cristo, morto na carne, mas vivificado no Espírito; no mesmo Espírito foi pregar aos espíritos que foram trancados no cárcere, os que foram incrédulos no tempo de Noé. Também neste texto se declara o que fez no inferno. Mas o próprio Senhor, como anunciando o futuro, disse por meio do profeta: Não abandonarás minha alma no inferno, nem permitirás que teu justo veja a corrupção. E, apesar disto, profeticamente mostra que se cumpriu, quando afirma: Senhor, tiraste a minha alma do inferno, salvaste-me dos que descendem ao fosso.

NOTAS:
[1] Cf. Rm 10.7; 1Pe 3.18-20; 4.6; Ef 4.8-9. Recordando a declaração na nota 144. O inciso descendit in inferna não se encontrava em R, nem em nos Símbolos orientais. Em Aquileya se inclui esta fórmula, que aparece pela primeira vez na Quarta Fórmula de Sirmio, um Credo do ano de 359 d.C.. Também está em Nicéia e em Constantinopla. Alguns Credos espanhóis do século sexto também incluem (D3) e desde os tempos de são Cesário de Arlés se estende nos Credos das Gálias (DS 25-28). J.N.D. Kelly, Primitivos Credos Cristianos, cit., pp. 446-452. Parece que a conotação original fora sublinhar a realidade da morte de Cristo: a descida ao sepulcro. Na concepção judaico-cristã a alma, ao morrer, passava para o sheol. A base bíblica se pode encontrar em Rm 10.7: “‘Quem descerá ao abismo?’; ou seja, para fazer subir Cristo dentre os mortos”; 1Pe 3.18-19: “Também Cristo, para levar-nos a Deus, morreu uma única vez pelos pecados ... No espírito foi pregar aos espíritos encarcerados”; 4.6: “Por isso, inclusive aos mortos se anunciou a boa nova”. Também em Mt 12.40; At 2.24-27; Ef 4.7-10. Cf. Ch. Perrot, La descente du Christ aux enfers dans le Nouveau Testament, Lum Vie 87 (1968), pp. 5-29. A especulação dos teólogos posteriores dá lugar a duas interpretações: para uns, Cristo foi ao inferno pregar a sua mensagem aos que não puderam ouvi-lo, aos justos do Antigo Testamento. Para a segunda interpretação, predominantemente no Oriente e que Rufino segue, a descida ao inferno é a confirmação da vitória do Redentor sobre a morte e libertação dos justos do Antigo Testamento. Rufino identifica o conteúdo desta cláusula com o da sepultura. São Cirilo disse: “Desceu ao sheol, para ali resgatar os justos. Por acaso, queres, lhe pergunto, que os vivos gozassem da graça de Deus sem ser muitos deles santos? Que não conseguissem a liberdade aqueles que estavam prisioneiros a longo tempo, desde Adão? O profeta Isaías anunciou com voz excelsa muitas coisas acerca dele. Não querias, pois, que o rei o libertasse, descendo com o seu anúncio? Ali estavam Davi, Samuel e todos os profetas. E inclusive o próprio João, que dizia por meio de seus enviados: “tu és o que haveria de vir, ou devemos esperar outro?” (Mt 11.3). Não desejarias que descendo, liberasse a esses homens?”: Cat., IV, 11, pp. 104-105.
[2] Sl 30.10. Não é citado por são Cirilo.
[3] Sl 69.3. Também não é citado por são Cirilo.
[4] Lc 7.20. Rufino interpretando deste modo Lc 7.20, segue a são Cirilo, ainda que no texto evangélico os enviados por João Batista estão apenas a perguntar a Cristo, se ele é o Messias, sem nenhuma referência à descida ao inferno. Alguns Pais põem na boca de João a pergunta quando Jesus vai ao seu encontro no sheol. Cf. Cirilo, Cat., XIV. 9, p. 329.
[5] 1Pe 3.18-20. Este texto, como os foram citados antes (1Pe 4.6; Rm 10.7; Ef 4.8-9), pressupõe como conhecido e pregado a descida Cristo ao inferno, após a sua morte.
[6] Sl 16.10. Cf. Cirilo, Cat., XIV, 4, p. 325.
[7] Sl 30.4. Cf. Cirilo, Cat., ibid.


Extraído de Rufino de Aquileya, Comentário al Símbolo Apostólico – Biblioteca Patrística (Madrid, Editorial Ciudad Nueva, 2001), pp. 83-84.

28 julho 2018

Remédios preciosos contra as artimanhas do Diabo - Capítulo 6

Satanás conduz os crentes ao pecado fazendo-lhes pensar que os que se santificam sofrem muita oposição e dificuldades. Ele lhes diz que enquanto os pecadores gozam da “boa vida”, os que desprezam ao pecado somente experimentam tristezas e problemas. Satanás insiste em lhes inculcar que por serem justos e santos terão problemas. O sussurro do inimigo de que é muito melhor viver numa forma que não lhes ocasione tantos conflitos e que os pecadores não sofrem como os piedosos.

Como devem reagir, e o que pensar os crentes quando Satanás lhes inquieta com estas ideias?

Primeiro, devem recordar que todos os problemas que os filhos de Deus serão usados para o seu bem. Deus nunca envia aflições ao seu povo sem um bom propósito, ainda que no momento não seja possível entende-lo. Em seguida mencionarei alguns dos efeitos que sobrevêm aos piedosos como consequência da aflição: Aprendem acerca da maldade do pecado; o sofrimento lhes faz desprezar ao pecado; o sofrimento lhes faz ter cuidado com o pecado no futuro. O menino que se queima teme ao fogo. As aflições nos ajudam a mortificar ao pecado. As aflições são o crisol onde Deus purifica as impurezas do seu povo. Deus disciplina, corrige e instrui aos crentes para o seu bem, a fim de que participem de sua santidade (Hb 12.10-11). Ainda que a disciplina divina seja no momento dolorosa, produz a piedade e traz muitas bençãos aos crentes.

Deus está treinando ao seu povo: fazendo que estejam numa boa e saudável condição espiritual, o sofrimento é uma parte deste treinamento. O sofrimento lhes torna humildes e sensíveis ao ensino do Espírito Santo. O sofrimento aproxima de Deus e os motiva a orar duma forma mais intensa e sincera. O salmista disse: “Antes que eu fosse humilhado, andava desviado, mas agora guardo a tua Palavra” (Sl 119.67). Também o sofrimento fortalece aos crentes. Crescem mais fortes em seu amor a Deus e pelo seu povo; crescem mais fortes na fé, esperança e gozo.

Segundo, os crentes devem recordar o que é mais importante do que seus problemas. Eles não podem mudar o fato de que Deus lhes ama. As aflições podem resultar em sofrimentos do corpo e da mente, e até mesmo leva-los a perder a vida, mas não podem separá-los do amor de Deus.

Terceiro, os crentes devem recordar que seus problemas na realidade são passageiros e de curta duração. “Por um momento será sua ira, mas o seu favor durará toda a vida. Pela noite durará o choro, mas a alegria virá pela manhã” (Sl 30.5). Na realidade há um breve tempo entre o conhecer da graça de Deus na terra e o gozar da glória de Deus no céu. “Porque ainda um pouco e o que há de vir virá e não tardará” (Hb 10.36-37). Este breve tempo de sofrimento terminará e os crentes estarão com Cristo para sempre. Este tempo de tormenta é o prelúdio da tranquilidade eterna.

Quarto, os crentes devem lembrar que os problemas que lhes ocorrem provêm do grande amor que Deus tem por eles. O Senhor Jesus disse: “Eu repreendo e castigo a todos os que amo” (Ap 3.19). Deus está preparando aos crentes para o céu e, às vezes, esta preparação resulta dolorosa. Todavia, o fato de que Deus procura que estejam preparados para o céu, é prova de que lhes ama grandemente.

Quinto, os crentes devem medir as aflições por seu resultado espiritual e não pela dor que ocasionam. É necessário que vejamos o propósito de Deus em nossos sofrimentos. José sofreu no Egito e foi encarcerado injustamente. Não obstante, o propósito de Deus foi, que por meio de José, salvasse a sua família. Do mesmo modo, Davi foi rodeado de inimigos e esteve em perigo constante no início de sua carreira. Todavia, tornou-se rei e foi honrado por seu povo. Em ambos os casos foi o sofrimento o que conduziu o cumprimento do propósito de Deus. Isto nos ensina que os crentes devem julgar seus sofrimentos não pela dor que produzem, senão por seus resultados espirituais.

Sexto, o propósito de Deus nas aflições nunca é para condenar, ou causar desespero nos crentes. Deus não quer enfraquece-los, ou arruiná-los com a tristeza. Deus quer provar e fortalece-los, seu pensamento nunca é destruí-los. Moisés recordava aos israelitas deste ponto: “Te recordarás de todo o caminho por onde Jehová, teu Deus, te conduziu estes quarenta anos no deserto, para afligir-te, para provar, e para saber o que estava em teu coração, se guardarias, ou não os seus mandamentos” (Dt 8.2). “Para provar”, esse foi o propósito de Deus, não para prejudicar ou destruir.

Finalmente, os crentes sempre devem recordar que as tristezas e as misérias que acompanham o pecado sempre serão maiores e pesadas que a tristeza que, às vezes, acompanha a santidade e a piedade. A tristeza que o pecado acarreta não tem nada de bom. Não possui nenhuma esperança, nem bom propósito. A tristeza que procede do pecado somente conduzido pelo que é temível e terrível, ou seja, o desprezo justo e santo de Deus e sua ira.